Você vende produtos ou soluções?

O consumidor de hoje em dia, busca muito mais do que produtos e mais produtos, porque eles já encheram nossas casas, e muitos deles foram usados poucas vezes, provavelmente porque não entregavam uma solução completa. Lembre-se daquele eletrodoméstico que prometia uma revolução em sua cozinha, mas é complicado de limpar e toda vez que você precisa dele, é dominado pela preguiça depois em limpar, que a facilidade do uso não compensou o trabalho após o uso.

  • Produtos – O fogão a gás resolveu o problema das casas que precisavam, só que hoje em dia apesar de ele ainda ser essencial, um forte concorrente apresentou uma solução melhor para muito do que ele faz.
  • Soluções – O micro-ondas conseguiu gerar uma revolução nas cozinhas do mundo todo, com o resultado de aquecer alimentos e líquidos de forma mais rápida, e com muito menos sujeira que seu antecessor o fogão a gás.

Talvez vocês estejam discordando, e muitos detestam a comida preparada em um micro-ondas, e acredita que ambos sejam diferentes, mas a evolução das coisas fez com que hoje em dia, o micro-ondas represente uma melhor solução, principalmente pela sua rapidez, e a grande demanda de alimentos que foram idealizados para ele (os alimentos congelados).

Diferentes em si, mas com características importantes para a revolução que ambos protagonizaram em suas épocas. Você acredita que a próxima invenção para essa solução, irá se parecer mais com o fogão a gás ou com o micro-ondas?

Se você chegou até aqui, agora já está concordando um pouco mais que o micro-ondas entregou uma solução melhor, para a mesma finalidade de aquecimento de alimentos e bebidas.

Clientes procuram soluções completas, na introdução do micro-ondas seus inventores precisaram ensinar as pessoas a utilizarem sua solução, já nos dias de hoje os pais confiam muito mais em pedir para uma criança de 7 anos preparem sua comida do zero, no micro-ondas do que no fogão a gás, correto? É essa solução completa que produtos e serviços devem apresentar para conseguirem ser um sucesso.

As vezes a simples evolução das coisas, faz com que mais soluções sejam adicionadas a um produto. Em 2007 quando o celular iPhone foi lançado (veja o vídeo e relembre, porque já faz tanto tempo que ele está entre nós que nem lembramos mais do que não tinhamos na época), ele conseguiu entregar muito mais soluções do que seus concorrentes tinham na época, apesar de todos estarem muito satisfeitos com seus “Motorolas” e “Nokias” que reinavam absolutos até então. O fato de ele conseguir juntar em um só aparelho, um GPS e um tocador de música, assim como melhorar o acesso internet ao bom e velho telefone, foi o grande salto para a transformação de um celular em smartphone.

Pode até ser que você não possa oferecer o produto e o serviço, mas nesse caso será preciso ter parceiros de negócio para recomendar. Um exemplo disso são as empresas de softwares de gestão que apenas vendem seus produtos, mas não o instalam. Para o cliente, é algo assustador quando ouve do vendedor que ele vai precisar de mais alguém, para que ele consiga 100% da solução que precisa.

As melhores soluções foram aquelas que apenar de não terem inventado nada do zero, ou não criaram uma necessidade nas pessoas, elas conseguiram entregar uma solução completa, uma solução que realmente resolveu a vida daqueles que o possuem.

Seus produtos e serviços, são uma solução ou mais um produto?

Grandes revoluções não acontecem da noite para o dia, mas quando observamos a empresas mais admiradas, provavelmente ela apresentou em algum ponto de sua história mais soluções do que produtos.

Como encontrar uma solução eficaz para o meu cliente?
Pergunte-se si mesmo o que o meu cliente precisa? Logo após vá a campo e pergunte a ele mesmo o que ele precisa para resolver determinada necessidade? Algumas empresas fazem pesquisas apenas observando como seus clientes utilizam seus produtos ou serviços, e foi daí que vieram grandes soluções.

Não tenha medo de tentar, de buscar melhorias em seu produto ou serviço, seja qual for o tamanho de sua empresa ou o segmento, sempre existem coisas para melhorar. Boa sorte em sua busca de melhorar a vida das pessoas, porque se você é um empreendedor tem isso no sangue, de não apenas ter uma empresa, ou ganhar mais dinheiro, e sim de fazer algo que resolva a vida das pessoas.

P.S. Não pense que isso é uma estratégia apenas de marketing para atrair mais clientes, mas desejo que alguém que esteja lendo esse artigo possa inventar alguma coisa para ganhar mais dinheiro do que eu (sic).

Post publicado no Portal Administradores por Ariel mendes.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Anúncios

Seja você e vire tendência

É fato que todos vivemos uma busca incessante pela felicidade, realização ou reconhecimento.
Frequentemente nos propomos a fazer o que tiver que ser feito para alcançar nossos ideais. A maioria de nós muitas vezes negligencia a qualidade de vida para alcançar esses ideais, e, nessa busca, acaba se desconectando da sua essência.

Poucos expressam com certeza seus valores impulsionadores, conseguem expressar em poucas palavras qual sua missão pessoal e propósito de vida.
Os que o fazem, normalmente os vinculam a fatores materiais como “proporcionar boa formação aos meus filhos”, “adquirir minha casa própria”, “alcançar meu primeiro milhão de dólares” e por aí vai.

Esses certamente são objetivos interessantes, desafiadores e até nobres, mas não fatores que geradores de SIGNIFICADO para a vida.

Como alcançar esse significado se sequer olharmos para dentro e reconhecermos o que verdadeira e essencialmente nos motiva? Antes é preciso sondar as próprias convicções a respeito de si mesmo e responder algumas questões simples:

√ O que mais gosto na minha personalidade?
√ Em que momento me sinto em paz comigo mesmo?
√ Quais decisões já tomei que me fizeram sentir satisfação após constatar os resultados?
√ Em que aspectos eu AGREGO VALOR à vida das pessoas do meu convívio?

Estamos tão acostumados a observar o que não gostamos, que acabamos por inverter nosso olhar e buscar fora de nós o que somente é possível obter se já tivermos encontrado dentro.

Dia após dia, são publicadas reportagens de executivos de sucesso que abandonam sua carreira para viver uma vida mais leve, significativa, com menos sacrifício pessoal e maior qualidade de vida. Certamente essas pessoas tiveram algum tipo de experiência que as despertou quanto à sua essência. E o mais interessante é que após essa descoberta, elas estão experimentando um tipo de sucesso e admiração interna e externa que posição ou status JAMAIS as dariam. Sem contar que se declaram mais felizes, realizados, admirados e valorizados como nunca antes.

As pessoas que alcançam esse nível de consciência, seja por amor próprio ou através da dor após terem que superar algum tipo de somatização, causada pela própria ganância ou negligência, passam a viver a verdadeira REALIZAÇÃO. Começam a desfrutar dos resultados que produzem, a utilizar para o próprio bem o que os recursos que conquistam, passam a gostar mais de si e a expressar o carinho pelas pessoas do seu convívio, exalam entusiasmo e gratidão.

E você? Está “correndo atrás” da sua felicidade ou tem vivido de tal forma que sua realização se manifesta no seu dia a dia?

Atitude é fundamental, afinal, só o que cai do céu sem esforço é chuva, porém, sem domínio próprio e equilíbrio entre áreas da vida certamente será menos provável que você se torne uma referência ou inspiração para as outras pessoas. Está aí a base para todo propósito: impactar e impulsionar a vida de outros através do que fazemos.

Identifique sua essência, mapeie sua jornada de sucesso, celebre cada conquista, tire tempo para estar com você e com as pessoas que diz amar. Vá além de SOBREVIVER. Busque e reveja periodicamente sua autenticidade. Seja você e vire tendência!

Post publicado no Portal Administradores por Vanessa Milis.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Quando a gente decide tomar um novo rumo na vida

iStock

Quando a gente decide tomar um novo rumo na vida, acontece um movimento natural de buscar reforços. A gente lê, faz cursos, participa de grupos, se mune de conteúdos que apoiem nossa transformação. Porém chega um momento em que toda essa carga vai transbordando.

A gente pode entrar numa ansiedade tremenda, querendo que as coisas caminhem rápido, afinal começa a soar um alarme interno de muito tempo perdido. Quando a gente começa a se aprofundar e a remexer nos baús, parece que a vida virou uma enorme bagunça. A gente quer mudar tudo aqui e agora. Mas não há organização que possa começar por todos os lados ao mesmo tempo, só que a gente não sabe por onde começar.

O copo transborda.

Nessas horas a gente quer alguma luz, busca respostas por todos os lados, um conselho, uma dica. E vai acumulando mais carga e o copo transborda ainda mais. Daí a gente começa a questionar a nossa capacidade, as teorias e até as pessoas que nos estenderam as mãos. A gente passa a buscar, questionar, debater com tudo que está fora. Mas o turbilhão está dentro.

– Pausa para respirar –

Quantas vezes ao dia você respira profundamente? Quantas vezes ao dia você sequer percebe a sua respiração? Se hoje, não houve nenhuma pausa assim, que essa seja a primeira. Perceba o ar entrando pelas narinas mais frio, saindo pela boca mais quente, o peito se estendendo depois relaxando. Ocupe seu lugar no momento presente.

Quando a gente quer tomar um novo rumo, na melhor das intenções, a gente começa um movimento. Mas a gente começa, muitas vezes, uma movimentação que só nos consome energia, um movimento que não nos move a lugar algum. Simplesmente porque não ouvimos a nossa voz, não refletimos qual horizonte será o nosso norte, nem sentimos nossos pés pisando o solo que está aqui e agora.

Então, respire!

Você não está numa corrida ou numa luta contra o tempo. Não! Faça do tempo seu aliado. Você não está atrasada. Você está no exato momento perfeito para saber o que você sabe e os recursos chegaram na hora em que você estava pronta para receber. Essa é a sua hora! Você nunca mais será tão jovem quanto é agora (isso vale se você tiver 17 ou 63 anos), nem nunca teve a consciência que você tem agora. E mais, você só tem o agora. Então, desfrute-o. Não encha seu agora com cobranças pelo que foi, nem com medo pelo que virá. Senão, seu agora vai virar uma ilusão, uma miragem.

Que tal receber a revista Administradores digital todos os meses?
Torne-se um Administrador Premium

Pare, respire. Comece por um ponto. Um pequeno passo. Abra um pequeno espaço na sua agenda e comece a cuidar de você, que sejam 15 ou 20 minutos por dia. Comece a escrever um Diário da Gratidão. Esvazie a mente. Cante ou dance. Faça algo que eleve sua energia e bem estar. Com o tempo, esses 15 ou 20 minutos já serão sagrados. Você conseguirá abrir mais algum tempo, 1 hora quem sabe. Até que você consiga enxergar sua presença em todos os momentos e em todas as escolhas.

Eu sei, você tem fome de vida! Você quer preencher sua existência com tudo de belo que você almeja. Você quer sentir seus olhos brilhando e o coração batendo dentro do peito. E você quer isso agora! Mas se você não desacelerar, o que você vai sentir é só o coração batendo ansioso e a respiração curta e pouco profunda, enchendo seu peito de angústia – o contrário de tudo que você sonha.

Comece pelo seu “porquê”. Por que você quer realizar essa transformação profunda? Qual é o significado disso para você? Por que você quer levantar todos os dias de manhã? Qual é a diferença que você quer fazer? Qual é o seu lema de vida? E também aqui: respire! Comece pelos pequenos “porquês”, não se exija achar a revelação do suprassumo do universo. Podem ser coisas simples, como “eu quero ser colo e aconchego”, “eu quero inspirar as pessoas a serem elas mesmas”, “eu quero ser quem eu sou e me sentir presente na vida” ou alguma outra frase simples que espelhe o seu “porquê” nesse momento, como ele veio para você.

A partir desse “porquê” é que deve se assentar o restante. Dele é que vem o “como”. Como você vai expressar esse “porquê”, seu propósito, seu lema de vida. Depois vem “o quê”, o que você vai fazer, quando, de que maneira. A partir daí, você tem critérios mais sábios (da sua sabedoria interna) para tomar decisões, para comparar as propostas com os seus valores, para planejar ações, para traçar seu mapa e seguir a caminhada.

Enquanto essas bases não se clareiam, não existe super ferramenta de produtividade que aprume as coisas, nem guru que ilumine as ideias. Ah, mas também não espere “se conhecer completamente” antes de dar os primeiros passos. Muitas vezes o seu “porquê” vai se revelar para você no cotidiano, nos acontecimentos corriqueiros, em alguma frase que vai lhe parecer nova, na medida que você diz sim às coisas que lhe acendem. Clareie as bases e vá definindo os próximos passos, com calma e inteireza. Vá pra vida e esteja atent@!

O que acontece é que a gente sai à procura de algo que nem sabe o que é, nem sabe como, muito menos o porquê. Como você vai reconhecer a resposta, se nem sabe qual é a pergunta? Então, se asserene, acolha as perguntas, aprenda a amá-las. Comece procurando as respostas que vêm de dentro, observe seu movimento interno e comece a clarear as coisas. Procurar por respostas para aplacar a sua ansiedade, alimentando mais ansiedade… Bem, assim você só vai ter mais respostas desse mesmo nível. Se a gente quer soluções diferentes, precisa fazer diferente.

Deixe que flua, deixe ser fácil.

Muitas vezes basta que a gente faça um pequeno ajuste no nosso jeito de pensar, que a gente pare de resistir e controlar, que a gente pare de dificultar. E aí, as coisas fluem.

A gente é que complica. Então, a gente também pode simplificar, facilitar, permitir.

Respire, se escute, se acolha. Não se cobre tanto, viu? Você está fazendo um lindo caminho! Reconheça isso!

Post publicado no Portal Administradores por Juliana Garcia.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Você é o chefe ou o líder no seu trabalho?

iStock

Todo empreendedor que obteve um mínimo de sucesso e viu o seu negócio evoluir passou pela situação de selecionar, empregar e coordenar uma equipe de colaboradores. Se você se identifica com essa situação, com certeza ouviu os termos “chefiar” e “liderar” com relativa frequência, afinal, é esse o nível de relacionamento que você tem ou teria com essas pessoas. Mas você sabe qual a diferença entre os dois termos? E, melhor ainda, sabe qual dos dois — chefe ou líder — você é?

O chefe e o líder

Gerir uma equipe de colaboradores no sentido de metas e objetivos comuns não é nada fácil, e uma das primeiras lições a serem tomadas nesse processo é a de que chefe e líder são coisas bem distintas. A figura do chefe todo-poderoso, durão e mandão é bastante arcaica e tem por base o estímulo via coação moral e monetária. O líder, por sua vez, é figura central do “novo” modo de gerir pessoas, leva seu grupo a um status não só de otimização do processo e da produção, mas de autoconhecimento profundo.

No atual contexto econômico, quase não há mais espaço de crescimento para empresas que praticam a “chefia pura”, uma vez que o dinamismo inerente às equipes que possuem líderes capazes é necessário para que elas atendam a demandas de mercado, cada vez mais necessitado de cabeças pensantes que resolvam os problemas. E o combustível de tudo isso se resume em uma palavra mágica: motivação.

Liderar é sinônimo de motivar a equipe

Quer mais conteúdo exclusivo de Administração e Negócios?
Torne-se um Administrador Premium

O líder de uma equipe ou de uma empresa trabalha a motivação das pessoas, em diversas frentes e aspectos. Uma máxima que corre o meio corporativo e que ilustra muito bem essa situação é: “enquanto um chefe diz vá, um líder diz vamos lá?”. O líder, assim, se incorpora ao corpo da equipe, chamando para si os mesmos desafios e enfrentando as mesmas dificuldades dos colaboradores, deixando-os motivados e estimulados a desempenhar um trabalho de qualidade.

Esse trabalho do líder de motivar as pessoas acontece de forma tanto direta quanto indireta, por meio de ferramentas simples, mas muito eficazes. Bons exemplos são o estímulo ao crescimento pessoal, ao conhecimento de si e da área na qual atua, e o mais importante: se torna amigo e confidente das pessoas com quem trabalha e convive, ajudando-os a transpor dificuldades profissionais e ensinando-os a trabalhar sempre melhor.

Chefiar versus liderar

A diferença entre chefiar e liderar reside sobre aspectos bastante significativos no cotidiano de uma empresa, e também pode ser resumida em dez assertivas que comparam o comportamento de ambos:

Chefes inspiram medo, líderes inspiram entusiasmo;
Chefes sabem como as coisas são feitas, líderes mostram como as coisas são feitas;
O chefe critica; o líder ensina;
O chefe demonstra orgulho, o líder demonstra humildade;
O chefe diz “eu”, o líder diz “nós”;
O chefe cobra que se chegue no horário, o líder chega antes de todos;
O chefe conduz pessoas, o líder as orienta;
O chefe usa autoridade, o líder usa empatia;
O chefe aponta culpados por um problema, o líder e sua equipe buscam resolver o problema;
O chefe ordena, o líder ouve e pede.

Post publicado no Portal Administradores por Marcelo Toledo.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

O medo do novo ameaça as novas conquistas

O novo ano sempre sugere recomeços e é oportuno para quem, com boa dose de determinação, disciplina e coragem, quiser rever posicionamentos, quitar débitos pendentes e transformar suas condições de trabalho.

Novos ciclos também oferecem a oportunidade de colheita. Mas, só colhe quem no tempo e do jeito certo semeou.

Muitos profissionais, diante da incerteza, preferiram, “por garantia”, cultivar o que já tinham ao invés de arriscar novas direções. O medo clássico de trocar o certo pelo que ainda é duvidoso.

Mas, na vida não existe garantia de nada. E quem não ousar fazer diferente e reinventar-se vai continuar colhendo o mesmo resultado do que sempre plantou.

E verdade seja dita, o que hoje vem sendo mantido como certo, muito em breve e à revelia pode não mais sugerir certeza.

Quando a configuração de trabalho não oferece o retorno esperado é hora de romper a barreira do medo que imobiliza e, consciente dos desafios vinculados ao novo, acolher o risco do incerto em busca do que faz feliz.

Quem acredita e trabalha com dedicação na construção da justa medida, com o tempo, supera as dificuldades, ganha maturidade e alcança a eficiência e o reconhecimento devido.

Que tal receber a revista Administradores digital todos os meses?
Torne-se um Administrador Premium

Mas, é preciso querer sabendo o que, de fato, quer. O querer consciente é imperativo. É o que inquieta e torna possível enxergar outras direções.

Somente a inquietude confronta a inércia e provoca o movimento necessário para que os novos projetos saiam da intenção e ganhem uma identidade.

Esse reinício será decisivo para aqueles que se dispuserem a rever a direção e legitimar se o caminho escolhido atende ao desejo e acolhe a vocação.

Em certas fases da vida a saída está em fugir do convencional. Fazer diferente e testar novas aptidões. Investigar, reinventar e repaginar ate encontrar o diferencial.

Na percepção do mestre Cortella: “O enfrentamento do que nos amedronta exige reflexão, preparo e ação”.

É preciso fidelidade ao propósito e dedicação ao sonho. A hora da guinada é agora, não cabe desperdiçar mais tempo. É preciso fazer acontecer.

A história não garante, mas, indica que os ventos sempre sopram a favor daqueles que arriscam-se a encontrar o caminho que revela a missão.

Post publicado no Portal Administradores porWaleska Farias.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Os erros que levam ao sucesso

iStock/Editoria de Arte do Administradores.com

Você sabe quem foi Michael Jordan? Se pensou que foi o maior jogador de basquete de todos os tempos, esse é um fato a ser discutido, pois alguns diriam que você está errado. No entanto, um fato é incontestável: ele foi o profissional de basquete que mais errou cestas na história. Ou seja, aquele que é, pela maioria, considerado a grande referência do esporte, também foi o que mais “falhou”. E Thomas Edison? Você vai pensar agora que foi a pessoa que mais errou invenções, mas acertou na lâmpada. Não sei se foi a que mais errou, mas certamente está entre uma delas, e também trouxe ao mundo ideias incríveis. E Einstein? Jobs? Gandhi?

Sim, todas essas pessoas cometeram incontáveis erros mas, através de suas atitudes ousadas e persistentes, promoveram impactos gigantes na humanidade. Agora pense: seria melhor se eles tivessem errado menos?

A questão é que no Brasil o fracasso é como uma doença contagiosa da qual parece ser melhor ficar longe e evitar a todo custo. Mas, não é porque grande parte das pessoas infelizmente pensa assim que você também deve. Um dia algumas pessoas acreditavam que as mulheres não poderiam trabalhar. E se todo mundo continuasse pensando dessa forma? Já imaginou que porcaria? Olha que incrível foi elas entrarem no mercado e assumirem a liderança das empresas. A evolução veio com a mudança de atitudes e pensamentos e, assim, pode ser com a cultura dos erros.

Você não acha nobre uma pessoa que arrisca fazer algo, se joga de frente para realizar uma ação e, mesmo que dê errado, nós olhamos e pensamos “nossa, essa pessoa foi corajosa”. E agora, se essa mesma pessoa for tentar novamente, você não acredita que a chance dela está maior? Afinal, ela aprendeu situações novas, está mais habituada com o que vai fazer…Se fôssemos apostar, eu diria que as chances dela cresceram.

E se você fosse livre para errar, na busca dos seus sonhos e, obviamente, não prejudicando os outros, como seria?

Parece bom, não é? No entanto, deixe-me lhe contar: você já é livre assim.

A verdade é que esse maldito senso comum tem uma direção completamente equivocada de percepção. O foco está em que determinada pessoa não conseguiu algo e não em que ela está mais próxima de uma realização e com um aprendizado maior. São dois lados da mesma moeda. Porém, para qual deles olhamos é o que define a forma de ver e, infelizmente, de não agir da maioria. Algemados a uma prisão que não existe!
E essa é a minha grande preocupação que gostaria de dividir com você. A forma como estamos lidando com isso deixa muitas pessoas travadas em tentar e outras traumatizadas por terem chegado mais próximo de algo incrível (errado para os chatos). Eu quero mais Jordans, Gandhis, Edisons e por aí vai. Eu quero malucos cheios de erros que fazem a nossa vida melhor.

Portanto, se eu puder lhe pedir algo hoje seria: incentive uma ou mais pessoas próximas de você que cometeram erros. Fale para elas o quanto você respeita o fato de elas terem ousado e que pessoas admiradas por todos nós erraram muito mais do que elas. Ou seja, a quantidade de erros delas deve aumentar consideravelmente. Vamos ver aonde isso vai chegar: no mínimo você vai ganhar um “muito obrigado” ou alguém vai chegar até você e lhe dar o mesmo incentivo. De qualquer forma #pormaiserrosdobem

Sempre acreditei que “quanto mais você melhorar a quantidade e qualidade dos seus erros, mais perto do sucesso estará”.

Post publicado no Portal Administradores por Bruno Perin.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Como fazer sua equipe amar a segunda-feira

iStock
“Profissionais mais satisfeitos com o que fazem e onde o fazem são colaboradores mais eficientes”

Para boa parte das pessoas, a segunda-feira é o pior dia da semana, pois significa voltar a uma rotina de trabalho muitas vezes enfadonha ou emocionalmente desgastante. Encerrar o final de semana de lazer e descanso para retornar às atividades corriqueiras é uma transição que deve acontecer semanalmente, mas o ideal é que essa adaptação não seja difícil e sim o mais natural possível. Quando isso não acontece, de quem é a culpa?

Há algumas respostas possíveis e cada caso é um caso, mas, em geral, o problema pode ser individual ou coletivo. No primeiro cenário, o profissional está passando por uma fase difícil, e apesar de gostar do seu trabalho e da empresa na qual colabora, não consegue encontrar satisfação ali. Essa é uma questão pessoal. Mas na grande maioria das vezes o ambiente de trabalho não é motivador o suficiente para que o funcionário deseje voltar toda segunda-feira disposto a fazer seu melhor.

No livro “Até que enfim é segunda”, de Roxanne Emmerich, a consultora aborda justamente esse tema. Sua proposta é mostrar como criar um ambiente de trabalho que estimule a produtividade e consequentemente melhore os resultados financeiros da empresa em questão.

Ela dá o seguinte exemplo para ilustrar um ambiente desagradável: como em uma viagem de férias na qual a família briga no carro – um reclama, outro quer que todos sigam seu roteiro, outro está cansado e frustrado, enquanto alguém faz questão de dizer que não queria estar ali – uma empresa pode se tornar uma espécie de bolha tóxica, propícia à proliferação de comportamentos disfuncionais, transmitindo a negatividade aos clientes.

O ponto defendido pela autora é que transformar o ambiente de trabalho em um local agradável, produtivo e que nutre a criatividade, proporcionando as condições necessárias para o desenvolvimento das atividades propostas, é uma mudança que culminará em aumento de lucros e crescimento da empresa. Profissionais mais satisfeitos com o que fazem e onde o fazem são colaboradores mais eficientes, contribuindo de forma eficaz para o sucesso da equipe que integram. Um ambiente motivador é aquele para o qual se deseja voltar toda segunda-feira.

No referido livro, Emmerich compartilha suas dicas para alcançar essa atmosfera de produtividade e realização, por mais difícil que seja a situação inicial. Confira abaixo algumas das estratégias que farão você e sua equipe passarem a pensar “até que enfim é segunda”.

Assuma a responsabilidade, tome a frente

É preciso tomar a iniciativa de transformar o lugar, ainda que não você não ocupe uma posição de liderança. Uma mudança de atitude em nível pessoal, acompanhada de persistência, pode desencadear uma transformação coletiva. Como fazer isso? Observar locais – lojas, bancos, outros estabelecimentos – que transmitam harmonia e positividade, para assim captar ideias de como criar um ambiente desse tipo.

Coloque no papel o que precisa ser mudado e que tipo de comportamento deve ser substituído. Abolir atitudes prejudiciais é um ponto importante. Atente para as pessoas que precisarão de ajuda para aceitar uma mudança, e se inclua nesse grupo, se for o caso. A honestidade com os outros e consigo próprio é a chave para identificar as áreas mais problemáticas do seu ambiente de trabalho, de forma que elas possam ser expostas para a equipe, com o objetivo de mostrar o quanto certas mudanças seriam benéficas para todos.

Motive a equipe e mantenha a comunicação aberta

Se colegas ou superiores não reconhecem os esforços e desempenhos uns dos outros, é difícil encontrar motivação para fazer um bom trabalho. A frustração se torna constante e pode resultar em desânimo, inveja, insegurança, sentimentos que contribuem para que o ambiente continue tóxico e pesado.

Ao invés de esperar festas de final de ano para elogiar alguém, faça isso sempre que sentir vontade ou achar que convém. “Trate a todos da forma como gostaria de ser tratado e admita isso – como qualquer pessoa, você também gosta de receber elogios”, afirma Emmerich. Alimente boas expectativas com relação às pessoas à sua volta e recompense-as com reconhecimento e apreço verdadeiros. Mantendo a comunicação aberta dessa forma, será bem mais fácil tanto elogiar quanto fazer críticas construtivas, para que o ambiente seja agradável e inspire confiança.

Post publicado no Portal Administradores por Marcela Agra.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!