As 4 palavras mágicas do relacionamento humano

Existem quatro palavras mágicas que, quando as empregamos, exercem efeito especial sobre as pessoas. São elas: com licença, por favor, desculpe e muito obrigado.

Todos sabemos que elas são muito importantes para o nosso relacionamento, entretanto, parece que muitas pessoas sofrem de amnésia crônica e precisam ser lembradas diariamente disso. Utilizá-las é uma atitude que temos de adotar todos os dias até integrá-las automaticamente ao nosso comportamento. Quando as usamos demonstramos, não apenas, sentimento de consideração pelos outros mas, sobretudo, de boa educação e humildade.

As pessoas querem ser reconhecidas e tratadas com apreço e respeito. As palavras mágicas auxiliam muito no diálogo com as pessoas de nosso relacionamento, e também com todas as outras com quem nos deparamos durante o dia – quando temos que falar com elas -, seja motorista de ônibus, atendente de lanchonete, gari, telefonista ou qualquer outra pessoa.

Ao dizer “com licença”, estamos solicitando permissão para interromper alguém, fazermos ou falarmos algo e, junto com isso, uma mensagem subliminar de que respeitamos a pessoa e gostaríamos de dizer ou perguntar algo. No entanto, o tom de voz é que dirá se estamos pedindo “com licença” de forma humilde e respeitosa, ou se estamos fazendo de maneira arrogante e mal-educada. Cabe a nós nos policiarmos quanto ao modo correto de fazê-lo se quisermos evitar complicações desnecessárias.

Quando falamos “por favor” emitimos a mensagem de que precisamos ajuda ou atenção de alguém, ou como um simples gesto de polidez.

“Desculpe” é uma palavra que demonstra não somente educação, mas também maturidade de quem a pronuncia, porque nem sempre as pessoas gostam de admitir que erraram ou que fizeram algo inadequado.

“Muito obrigado”, pronunciado de forma aberta e sincera, é o melhor gesto de reconhecimento que podemos expressar quando somos auxiliados ou beneficiados em algo. A propósito, você tem o hábito de agradecer às pessoas com quem você convive em casa, no trabalho, em sua comunidade? Se não o faz desafie-se a fazê-lo todos os dias, em todas as circunstâncias que a situação se apresente.

As palavras mágicas são tão essenciais no relacionamento humano quanto o ar que respiramos, pois representam demonstrações de respeito, humildade e atenção às pessoas, e são expressões universalmente reconhecidas e apreciadas por todas as pessoas e povos em qualquer lugar do mundo.

A mais especial das palavras
É bom lembrar que as pessoas têm nome. Então, não deixe de fazer uso do nome delas sempre que conversar com alguém pessoalmente, por telefone ou e-mail. Dale Carnegie, autor de vários best-sellers sobre relações humanas, disse certa vez que o som mais suave e agradável que existe para alguém é o seu próprio nome. Lembrar-se do nome de uma pessoa que você pouco conhece, ou não vê há muito tempo, é algo que encanta qualquer um. Ao dizer o nome dela você está demonstrando estima por esse alguém, e quanto o tem em consideração, pois está registrado em sua memória.

As palavras certas podem provocar milagres
Um cego estava a pedir esmolas na rua e, ao seu lado, uma placa de papelão onde se lia: “Sou cego, por favor me ajude”. As pessoas passavam e, de quando em vez, uma ou outra moeda era lançada na latinha. Um pedestre caminhava apressadamente para o trabalho e, quando já havia passado pelo pedinte, parou subitamente, olhou em sua direção, e voltou. Pegou a placa de papelão e, do outro lado, escreveu algo. Enquanto fazia isso falou simpaticamente com o cego e depositou uma moeda no recipiente. Em seguida colocou o papelão ao lado do cego e foi embora sem dizer mais nada. Não demorou muito e o pedinte começou a ouvir o tilintar das moedas caindo sem parar na sua latinha, até entupi-la. E assim aconteceu por várias vezes. Horas depois o mesmo pedestre, voltando do trabalho, perguntou ao cego se tudo estava bem com ele. Reconhecendo a voz, o pedinte perguntou ao homem o que ele havia escrito no papelão. Este respondeu: “Escrevi a mesma coisa, só que com palavras diferentes. Pus na placa ‘Hoje está um lindo dia, mas não posso vê-lo porque sou cego’.”

Texto extraído e condensado do livro O Livro das Relações Humanas – Seu Manual para Obter Sucesso com as Pessoas, de Ernesto Berg, Juruá Editora. Para acessar o conteúdo ou adquirir o livro visite o site http://www.quebrandobarreiras.com.br seção de LIVROS

Post publicado no Portal Administradores por Ernesto Berg.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

3 fatores fundamentais para alcançar o sucesso

Apesar do que muitos pensam, o sucesso não está ligado ao dinheiro ou à uma posição social. Ser bem sucedido é estar satisfeito com os resultados obtidos nas diversas áreas da vida, sem haver limites para ampliar esse sentimento, sempre superando as expectativas. Sendo assim, tanto um diretor de uma multinacional, como o proprietário de um carrinho de cachorro-quente podem ser consideradas pessoas de sucesso se forem as melhores naquilo que se propuseram a fazer.

Tendo este conceito em mente, seguem três dicas da coach Cibele Nardi que irão lhe aproximar do sucesso:

1 – Esteja rodeado de pessoas bem sucedidas

Segundo Jack Canfield, autor do livro “Os princípios do sucesso”, nós somos o resultado das cinco pessoas com quem mais convivemos, seja pessoalmente ou através de literatura ou outro tipo de contato. Desta forma, é importante defini-las, pois serão elas que determinarão o seusucesso. Procure estar rodeado de pessoas bem sucedidas, que irão lhe motivar a chegar lá também.

2 – Estabeleça um critério razoável de sucesso

Um dos grandes problemas ao se denominar como uma pessoa de sucesso ou não está relacionado à forma de mensurar os resultados e classificá-los. Muitos pecam pelo excesso e estabelecem um critério que nunca poderá ser alcançado mesmo que o resultado obtido seja satisfatório. Seja realista, estipule metas possíveis e o sucesso chegará com mais facilidade.

3 – Não entre em uma zona de conforto

O sucesso não tem limites para ser ampliado. Caso as metas estabelecidas em um primeiro momento já tenham sido alcançadas, não hesite em almejar voos mais altos.
Seguindo esses conceitos o sucesso estará mais próximo do que você pensava.

Post publicado no Portal Administradores pela Redação.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Qual o tamanho do seu sonho?

Este é um dos grandes dilemas da vida.

Chega uma hora que o que mais queremos é tranquilidade, menos dores de cabeça, um trabalho menos estressante, enfim, levar a vida numa boa. Mas nem todo mundo gosta disso, certo?!

Existem pessoas que nasceram para solucionar problemas, que sentem prazer e motivação em ser o “desengripante” que desemperra aquela engrenagem enferrujada que pode ser um processo, uma pessoa ou a própria equipe. Pessoas que pensam como empreendedores dentro das empresas para quais vendem o seu tempo em troca de uma remuneração justa e buscam ter papel relevante dentro dos resultados da organização.

Mas e quando o ambiente não ajuda ? Quando os líderes tolhem a criatividade e a iniciativa das pessoas ? O que fazer ? Como podemos ver existem “n” variáveis que acabam favorecendo ou prejudicando nossa capacidade de sonhar. Então esse é o momento de ter um maior senso crítico e saber peneirar aquilo que é realidade e o que é simples comodismo ou aceitação do inaceitável.

O ambiente impacta bastante na nossa capacidade de sonhar, porque nele a maioria das pessoas é de personalidade reativa e desta forma tendem a ver o que está errado ao invés das oportunidades e assim sendo acabamos sendo bombardeados por reclamações ou com frases como “aqui sempre foi assim”, “não é da minha responsabilidade”, “atrasei o relatório porque fulano não me enviou as informações em tempo hábil”, etc.

A auto sabotação também prejudica nossa capacidade de sonhar, isto acontece quando colocamos a culpa das nossas frustrações em terceiros, ou seja, na esposa ou marido que não apoia sua ideia, no chefe que não percebe o seu valor, na empresa que não dá oportunidade de crescimento e até mesmo no bom salário que remunera uma função medíocre. Tudo isso leva a pessoa a zona de conforto e mata nossa capacidade de realização.

Então, diante de todas essas variantes acredito que sonhar grande ou sonhar pequeno dá o mesmo trabalho. Quem sonha pequeno reclama da vida, da esposa, do chefe, da empresa e perde seu tempo procurando desculpas que justifiquem suas frustrações.

Agora se você está entre os 15% das pessoas (estimativa minha) pró-ativas que querem fazer a diferença, mesmo que em alguns momentos tenha uma recaída se tornando temporariamente reativo (pode ser o que está acontecendo agora) busque o que te trouxe até aqui, qual era o seu propósito e nessa retrospectiva tente identificar onde você perdeu a capacidade de sonhar grande. Busque recuperar essa capacidade, revigore sua mente e tenha uma atitude mais positiva e pró-ativa, no começo vai ser difícil mas de passo em passo você vai evoluindo, percebendo os resultados positivos dessa mudança e recuperando o hábito de ser inquieto e obcecado pela excelência de seus resultados.
Por isso sonhe grande!!! E tenha uma atitude grande para poder realizá-lo.

Post publicado no Portal Administradores por Clerence willians.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Você pode e deve sonhar, mas antes é preciso planejar

Reprodução/ iStock
A falta de um rumo traz consequências desastrosas para qualquer ser humano e para qualquer profissional

A falta de um rumo traz consequências desastrosas para qualquer ser humano e para qualquer profissional

É muito comum nos depararmos com pessoas que estão o tempo todo correndo, para tudo quanto é lugar, de forma desenfreada, acreditando que se assim não fizerem, não chegarão a lugar nenhum e nem conseguirão ser alguém.

Mas o que essas pessoas não sabem é que dessa maneira elas não chegarão a lugar nenhum mesmo. Mas não porque estão correndo de forma desenfreada – o que consome, sim, muita energia e recursos –, mas porque correm sem ter um rumo certo, sem saber aonde querem chegar.

O que essas pessoas não sabem é que sem um grande objetivo ou meta em mente, não faz diferença andar devagar ou correr. Na idade da pedra, por exemplo, os humanos também corriam, mas lá eles sabiam que se não corressem seriam devorados pelos selvagens animais. Ou seja, eles tinham um objetivo, um propósito. E por isso funcionava.

A falta deste rumo traz consequências desastrosas para qualquer ser humano e para qualquer profissional. Algumas dessas consequências são:

• Perda de tempo e energia;
• Gasto de dinheiro desnecessário;
• Empregos frustrantes;
• Alianças e parcerias desgastantes;
• Stress;
• Doenças do corpo e da mente pelas diversas insatisfações pessoais e profissionais;
• Desmotivação;
• Falta de foco na vida e na carreira;
• Problemas financeiros e econômicos;
• Discórdias afetivas.

Infelizmente essa lista é imensamente maior e capaz de trazer problemas muito graves às pessoas e profissionais.

Você já ouviu aquela expressão popular “barata tonta”? Pois é exatamente assim que fica uma pessoa sem foco: rodando, de forma enlouquecida, sem chegar a lugar algum.

Todo início de ano acaba sendo uma motivação para novas metas e objetivos, mas infelizmente a maioria delas fica só no discurso.

Bem como o domingo a noite, onde se planeja começar um curso, uma dieta… planos que são deixados de lado no primeiro contratempo da segunda de manhã.
Pois bem, sucesso e felicidade são duas palavras que todo mundo busca. Mas buscá-las de forma aleatória também não vai levar a

lugar nenhum, muito menos ao próprio sucesso e felicidade.
Quer mais conteúdo exclusivo de Administração e Negócios?
Torne-se um Administrador Premium

Ter um rumo na vida e na carreira é ter um grande sonho que será buscado e realizado dentro de um espaço de tempo. É sim um grande fator motivador. Fator, inclusive, que as empresas investem milhares de reais em palestras, cursos, workshops e o que for para incuti-lo na cabeça de seus funcionários, mas quase sempre jogando muito dinheiro fora.

Por quê? Simples! A motivação é um fator que vem de dentro para fora. Se houver fatores externos que possam ajudar, acaba sendo um verdadeiro ganha-ganha para todas as pessoas, profissionais e empresas. Mas é preciso que isso também venha de dentro.

Quer maior motivador do que ter um rumo na vida e na carreira? Um sonho ou objetivo que só pela busca e na visualização do atingimento já traz a tal MOTIVAÇÃO? Afinal, significa “motivos que levam à ação”. Faz sentido, não?

Por isso, é necessário que as pessoas e empresas revejam no que estão investindo e invistam em ferramentas que deem um rumo em suas vidas e carreiras. Assim, teremos pessoas e colaboradores, de fato, automotivados, com foco e altamente produtivos. E depois disso, garantir que essa automotivação seja mantida – senão as pessoas perdem novamente o foco e os colaboradores vão atrás de empresas que atendam suas novas necessidades.

Muitas vezes também vejo que a própria palavra “planejar” assusta as pessoas e os profissionais, afinal, está muito ligada a metas empresariais apenas. Sim, planejamento é fundamental para empresas de sucesso, mas também para pessoas e profissionais que querem ter sucesso na vida e profissão.

Planejar é ter muito claro o rumo que se quer atingir dentro de um espaço de tempo. Por isso, com este direcionamento e foco, é possível saber e analisar claramente tudo o que precisamos para chegar neste grande sonho e/ou objetivo. Este rumo é o destino final para você chegar. Imagine um avião ou um navio sem rumo específico? Seria um caos. Na vida também.

Planejar é direcionar seus esforços e recursos disponíveis para chegar neste destino, rumo, sonho, ou seja lá como você prefere chamar! Mas fica aqui uma observação: junto com o rumo tem que vir a estratégia de atitude. Só planejar sem agir também não leva a lugar nenhum. “Intenção sem ação não leva a lugar nenhum”.

E para finalizar nossa análise, se você ainda tem dúvidas dos benefícios que ganhará planejando sua vida e carreira, vou listar alguns deles:

• Foco;
• Clareza;
• Aproveitar da melhor maneira as oportunidades que aparecerem;
• Saber se defender das ameaças;
• Se preparar e potencializar seus talentos e suas forças;
• Corrigir suas fraquezas ou limitações, pois sabe que se não o fizer, não vai chegar lá;
• Economizar dinheiro;
• Conquistar saúde física, mental e emocional;
• Aumento de produtividade;
• Fazer muito mais com muito menos;
• Ganhar muito mais qualidade de vida;

Quer ter sucesso e ser feliz? Tenha um rumo certo e vá atrás dele. Simples assim. E só depende de você.

Alexander Baer – Presidente da Alexander Baer e Associados, Palestrante Profissional, Professor Convidado do MBA da Fundação Getúlio Vargas e Fundação Getúlio Vargas Corporativa, e também Coach Estratégico®, com atuação nacional nas áreas de Planejamento Estratégico Organizacional e de Vida e Carreira. http://www.alexanderbaer.com.br.

Post publicado no Portal Administradores por Alexander Baer.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Líderes, todos podem ser!

Reprodução/ iStock

Sabemos que liderança é ter habilidade de influenciar as pessoas a agir. Conquistar uma pessoa por inteiro e fazê-la cumprir os objetivos e conquistar as metas da empresa é o poder invisível que um líder possui. E aí está à diferença entre poder e autoridade, entre ser líder ou não.

Quando você tem poder, as pessoas fazem a sua vontade, mesmo que não desejem, por obrigação à obediência a uma hierarquia corporativa. Quando você cria vínculos e motiva as pessoas a darem o melhor de si, por causa da sua influência pessoal, isso é que o faz um grande líder.

Tornar-se um bom líder não é ser bonzinho, é estimular as pessoas a fazer o que elas precisam que seja feito, e não o que elas querem que você faça. Contudo, isto muitas vezes, significa ser duro e, às vezes, leve.

Para se tornar um líder, é preciso refletir a mudança que se quer ver no mundo. O líder tem uma vida equilibrada. Ele sabe que liderança não é um conceito que se aplica somente ao trabalho. Ele é um líder em sua família, um líder em sua comunidade, um líder espiritual e um líder da sua saúde. Lidera, antes de tudo, sua vida.

Desenvolver uma liderança significa desenvolver a capacidade de utilizar o seu potencial ao máximo com ética e integridade. Não existem líderes prontos, não existem seres humanos prontos. Há seres humanos sempre em formação e em transformação, assim como líderes. Cada um faz inúmeras escolhas sobre caráter e ações diariamente. E são essas escolhas que determinam a pessoa que você está se tornando. Cada ser humano e cada líder pode se tornar um santo ou um demônio dia a dia.

O líder ouve, respeita, reconhece, inspira e age. A minha experiência como coach e consultor em liderança há mais de 10 anos tem me mostrado que poucos líderes se mostram dispostos, na prática, a estabelecer esta conexão com a sua equipe ou com seu liderado. A maioria alega falta de tempo e ainda dizem: “se eu fizer tudo isso, não terei tempo para liderar.”

Opa! Espera aí. Mas não é esse o trabalho de um líder? Contribuir para a realização plena do potencial de cada indivíduo da sua equipe?
Liderança não é o que você faz, e sim o que você é. Ser um bom líder significa que você tem um bom caráter. Um líder tem o compromisso de fazer o melhor, mesmo quando você não deseja. Um bom líder tira o melhor de cada pessoa e se faz pelo exemplo.

Um bom líder serve e conquista autoridade ao invés de exigir ser servido. O líder tem de servir, sim. É preciso agir e colocar em prática a liderança servidora. O papel do líder é ajudar as pessoas da sua equipe, é orientar as pessoas a serem melhores, a se desenvolver, a ser melhor que elas podem ser. Se você dá a seu time o que ele precisa e não o que ele quer, ele também vai lhe dar o que você precisa para liderar com eficácia.

Portanto, já que liderança é influência, todos podem ser líderes, porque todos podemos influenciar pessoas. A diferença está na responsabilidade que cada um possui. Então, a questão é como se tornar um líder competente e de sucesso naquilo que você faz.

Atualmente, os profissionais têm passado mais tempo no trabalho do que com sua famílias, consequentemente, um líder deve ter em mente sempre que ele precisa, todos os dias, dar seu melhor para a equipe e estimular a equipe a dar o melhor de si. Reconhecer valores e a importância da conexão com cada membro da sua equipe o torna um líder humano, um líder real. Uma conexão única, procurando reconhecer os seus verdadeiros talentos, os comportamentos que precisam ser melhorados para atingir a alta performance.

O quanto você aborda corretamente cada membro da sua equipe, respeitando sua individualidade e o seu potencial? Acredito que o processo de liderar passe pelas seguintes fases: reconhecimento, valorização, direcionamento, treinamento. O líder precisa reconhecer seu valor único, valorizar a oportunidade de estar em contato com a pessoa certa, na hora certa, em todos os momentos.

Posso dizer que cada líder tem em sua equipe vários diamantes, inclusive ele próprio. Um líder precisa “lapidar” os diamantes, gerenciar uma equipe e liderar estabelecendo uma conexão rumo a alta performance e resultados extraordinários. Liderança de resultados pressupõe: preparo, dedicação e experiência. Pense nisso. Você também é capaz!

Paulo Alvarenga – Sócio-diretor da Crescimentum, empresa de treinamentos e consultoria especializada em desenvolvimento de líderes empresariais.

Post publicado no Portal Administradores por Paulo Alvarenga.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Você é o chefe ou o líder no seu trabalho?

iStock

Todo empreendedor que obteve um mínimo de sucesso e viu o seu negócio evoluir passou pela situação de selecionar, empregar e coordenar uma equipe de colaboradores. Se você se identifica com essa situação, com certeza ouviu os termos “chefiar” e “liderar” com relativa frequência, afinal, é esse o nível de relacionamento que você tem ou teria com essas pessoas. Mas você sabe qual a diferença entre os dois termos? E, melhor ainda, sabe qual dos dois — chefe ou líder — você é?

O chefe e o líder

Gerir uma equipe de colaboradores no sentido de metas e objetivos comuns não é nada fácil, e uma das primeiras lições a serem tomadas nesse processo é a de que chefe e líder são coisas bem distintas. A figura do chefe todo-poderoso, durão e mandão é bastante arcaica e tem por base o estímulo via coação moral e monetária. O líder, por sua vez, é figura central do “novo” modo de gerir pessoas, leva seu grupo a um status não só de otimização do processo e da produção, mas de autoconhecimento profundo.

No atual contexto econômico, quase não há mais espaço de crescimento para empresas que praticam a “chefia pura”, uma vez que o dinamismo inerente às equipes que possuem líderes capazes é necessário para que elas atendam a demandas de mercado, cada vez mais necessitado de cabeças pensantes que resolvam os problemas. E o combustível de tudo isso se resume em uma palavra mágica: motivação.

Liderar é sinônimo de motivar a equipe

Quer mais conteúdo exclusivo de Administração e Negócios?
Torne-se um Administrador Premium

O líder de uma equipe ou de uma empresa trabalha a motivação das pessoas, em diversas frentes e aspectos. Uma máxima que corre o meio corporativo e que ilustra muito bem essa situação é: “enquanto um chefe diz vá, um líder diz vamos lá?”. O líder, assim, se incorpora ao corpo da equipe, chamando para si os mesmos desafios e enfrentando as mesmas dificuldades dos colaboradores, deixando-os motivados e estimulados a desempenhar um trabalho de qualidade.

Esse trabalho do líder de motivar as pessoas acontece de forma tanto direta quanto indireta, por meio de ferramentas simples, mas muito eficazes. Bons exemplos são o estímulo ao crescimento pessoal, ao conhecimento de si e da área na qual atua, e o mais importante: se torna amigo e confidente das pessoas com quem trabalha e convive, ajudando-os a transpor dificuldades profissionais e ensinando-os a trabalhar sempre melhor.

Chefiar versus liderar

A diferença entre chefiar e liderar reside sobre aspectos bastante significativos no cotidiano de uma empresa, e também pode ser resumida em dez assertivas que comparam o comportamento de ambos:

Chefes inspiram medo, líderes inspiram entusiasmo;
Chefes sabem como as coisas são feitas, líderes mostram como as coisas são feitas;
O chefe critica; o líder ensina;
O chefe demonstra orgulho, o líder demonstra humildade;
O chefe diz “eu”, o líder diz “nós”;
O chefe cobra que se chegue no horário, o líder chega antes de todos;
O chefe conduz pessoas, o líder as orienta;
O chefe usa autoridade, o líder usa empatia;
O chefe aponta culpados por um problema, o líder e sua equipe buscam resolver o problema;
O chefe ordena, o líder ouve e pede.

Post publicado no Portal Administradores por Marcelo Toledo.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

O medo do novo ameaça as novas conquistas

O novo ano sempre sugere recomeços e é oportuno para quem, com boa dose de determinação, disciplina e coragem, quiser rever posicionamentos, quitar débitos pendentes e transformar suas condições de trabalho.

Novos ciclos também oferecem a oportunidade de colheita. Mas, só colhe quem no tempo e do jeito certo semeou.

Muitos profissionais, diante da incerteza, preferiram, “por garantia”, cultivar o que já tinham ao invés de arriscar novas direções. O medo clássico de trocar o certo pelo que ainda é duvidoso.

Mas, na vida não existe garantia de nada. E quem não ousar fazer diferente e reinventar-se vai continuar colhendo o mesmo resultado do que sempre plantou.

E verdade seja dita, o que hoje vem sendo mantido como certo, muito em breve e à revelia pode não mais sugerir certeza.

Quando a configuração de trabalho não oferece o retorno esperado é hora de romper a barreira do medo que imobiliza e, consciente dos desafios vinculados ao novo, acolher o risco do incerto em busca do que faz feliz.

Quem acredita e trabalha com dedicação na construção da justa medida, com o tempo, supera as dificuldades, ganha maturidade e alcança a eficiência e o reconhecimento devido.

Que tal receber a revista Administradores digital todos os meses?
Torne-se um Administrador Premium

Mas, é preciso querer sabendo o que, de fato, quer. O querer consciente é imperativo. É o que inquieta e torna possível enxergar outras direções.

Somente a inquietude confronta a inércia e provoca o movimento necessário para que os novos projetos saiam da intenção e ganhem uma identidade.

Esse reinício será decisivo para aqueles que se dispuserem a rever a direção e legitimar se o caminho escolhido atende ao desejo e acolhe a vocação.

Em certas fases da vida a saída está em fugir do convencional. Fazer diferente e testar novas aptidões. Investigar, reinventar e repaginar ate encontrar o diferencial.

Na percepção do mestre Cortella: “O enfrentamento do que nos amedronta exige reflexão, preparo e ação”.

É preciso fidelidade ao propósito e dedicação ao sonho. A hora da guinada é agora, não cabe desperdiçar mais tempo. É preciso fazer acontecer.

A história não garante, mas, indica que os ventos sempre sopram a favor daqueles que arriscam-se a encontrar o caminho que revela a missão.

Post publicado no Portal Administradores porWaleska Farias.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!