Sucesso

O que seria pior que o fracasso? O falso sucesso. Por quê?

Analisemos primeiramente o fracasso. Quando você faz algo que acaba não dando certo, você pode tentar corrigir a situação. Caso não seja possível, pode levar como aprendizado. Numa próxima vez você se sairá melhor. Afinal, uma forma de aprendermos é errando.

Já o falso sucesso é diferente. É uma ilusão, pois parece que você está se saindo bem, mas, na verdade, está se prejudicando. Quando você finalmente perceber que precisa fazer mudanças, poderá ser tarde demais.

Veja um exemplo. A despeito de todas as controvérsias envolvendo este personagem histórico, é inegável reconhecê-lo como líder e o maior homem que já viveu. Falo de Jesus Cristo. Ele certa vez perguntou: “Que adianta uma pessoa ganhar o mundo inteiro e perder a sua própria vida?” (Mateus 16:26, Bíblia Fácil de Ler)

Essa pergunta contém um alerta, bem como a revelação de uma atitude típica do falso sucesso. Deixar que a vida gire em torno da busca de dinheiro e de bens materiais. O consultor de carreiras Tom Denham escreveu: “Pensar sempre em subir de cargo na empresa, em ganhar mais dinheiro ou em comprar mais coisas não nutre a alma. Medir o sucesso simplesmente em termos financeiros é superficial e, a longo prazo, você só vai sentir um grande vazio.”

Muitas pessoas concordam com essas palavras. Numa pesquisa realizada nos Estados Unidos, “ter muito dinheiro” ficou em 20.° lugar numa lista de 22 “fatores que contribuem para uma vida bem-sucedida”. Perto do topo da lista estavam “boa saúde”, “bons relacionamentos” e “um trabalho de que você gosta muito”.

Pelo visto, muitas pessoas sabem a diferença entre falso sucesso e verdadeiro sucesso — pelo menos na teoria. Mas, na prática, é mais difícil tomar decisões que reflitam o conceito correto de sucesso.

Resta a pergunta (e claro, a reflexão sincera): “Como você mede o sucesso?”

Há que se considerar que o falso sucesso se baseia em aparências. Já o verdadeiro sucesso se baseia nos valores corretos.

Levando isso em conta, se você procurar ser responsável e trabalhador, você vai gostar mais de seu trabalho. A Ph.D. em psicologia Madeline Levine escreveu: “Considerar-se bem-sucedido no que faz envolve ser bom nisso; e ser bom no que faz geralmente envolve esforço e persistência.”

Algo que ajuda nisso é o desenvolvimento de uma competência fundamental, a resiliência. Dentre as muitas definições de resiliência, a mais aceitável é que ela é capacidade de lidar de forma positiva com as dificuldades e dar a volta por cima. Esforce-se em ser bom no que faz e, quando surgirem obstáculos, não desista.

“Melhor está o cão vivo do que o leão morto”, diz um provérbio bíblico. Seu trabalho deve fazer parte de sua vida, em vez de ser sua vida. Imagine só, você está no topo de sua carreira, mas perdeu sua saúde ou o respeito de sua família. Ou até mesmo a família! Você poderia realmente se considerar bem-sucedido? Pessoas realmente bem-sucedidas procuram manter um bom equilíbrio entre trabalho, saúde e vida familiar.

Cuide-se. Descanse o suficiente. Não vale a pena ser um viciado em trabalho e sacrificar tudo — saúde, família e amigos — por um sucesso que acaba sendo falso.

Post publicado no Portal Administradores por Eduardo Nunes.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Anúncios

Líderes, todos podem ser!

Reprodução/ iStock

Sabemos que liderança é ter habilidade de influenciar as pessoas a agir. Conquistar uma pessoa por inteiro e fazê-la cumprir os objetivos e conquistar as metas da empresa é o poder invisível que um líder possui. E aí está à diferença entre poder e autoridade, entre ser líder ou não.

Quando você tem poder, as pessoas fazem a sua vontade, mesmo que não desejem, por obrigação à obediência a uma hierarquia corporativa. Quando você cria vínculos e motiva as pessoas a darem o melhor de si, por causa da sua influência pessoal, isso é que o faz um grande líder.

Tornar-se um bom líder não é ser bonzinho, é estimular as pessoas a fazer o que elas precisam que seja feito, e não o que elas querem que você faça. Contudo, isto muitas vezes, significa ser duro e, às vezes, leve.

Para se tornar um líder, é preciso refletir a mudança que se quer ver no mundo. O líder tem uma vida equilibrada. Ele sabe que liderança não é um conceito que se aplica somente ao trabalho. Ele é um líder em sua família, um líder em sua comunidade, um líder espiritual e um líder da sua saúde. Lidera, antes de tudo, sua vida.

Desenvolver uma liderança significa desenvolver a capacidade de utilizar o seu potencial ao máximo com ética e integridade. Não existem líderes prontos, não existem seres humanos prontos. Há seres humanos sempre em formação e em transformação, assim como líderes. Cada um faz inúmeras escolhas sobre caráter e ações diariamente. E são essas escolhas que determinam a pessoa que você está se tornando. Cada ser humano e cada líder pode se tornar um santo ou um demônio dia a dia.

O líder ouve, respeita, reconhece, inspira e age. A minha experiência como coach e consultor em liderança há mais de 10 anos tem me mostrado que poucos líderes se mostram dispostos, na prática, a estabelecer esta conexão com a sua equipe ou com seu liderado. A maioria alega falta de tempo e ainda dizem: “se eu fizer tudo isso, não terei tempo para liderar.”

Opa! Espera aí. Mas não é esse o trabalho de um líder? Contribuir para a realização plena do potencial de cada indivíduo da sua equipe?
Liderança não é o que você faz, e sim o que você é. Ser um bom líder significa que você tem um bom caráter. Um líder tem o compromisso de fazer o melhor, mesmo quando você não deseja. Um bom líder tira o melhor de cada pessoa e se faz pelo exemplo.

Um bom líder serve e conquista autoridade ao invés de exigir ser servido. O líder tem de servir, sim. É preciso agir e colocar em prática a liderança servidora. O papel do líder é ajudar as pessoas da sua equipe, é orientar as pessoas a serem melhores, a se desenvolver, a ser melhor que elas podem ser. Se você dá a seu time o que ele precisa e não o que ele quer, ele também vai lhe dar o que você precisa para liderar com eficácia.

Portanto, já que liderança é influência, todos podem ser líderes, porque todos podemos influenciar pessoas. A diferença está na responsabilidade que cada um possui. Então, a questão é como se tornar um líder competente e de sucesso naquilo que você faz.

Atualmente, os profissionais têm passado mais tempo no trabalho do que com sua famílias, consequentemente, um líder deve ter em mente sempre que ele precisa, todos os dias, dar seu melhor para a equipe e estimular a equipe a dar o melhor de si. Reconhecer valores e a importância da conexão com cada membro da sua equipe o torna um líder humano, um líder real. Uma conexão única, procurando reconhecer os seus verdadeiros talentos, os comportamentos que precisam ser melhorados para atingir a alta performance.

O quanto você aborda corretamente cada membro da sua equipe, respeitando sua individualidade e o seu potencial? Acredito que o processo de liderar passe pelas seguintes fases: reconhecimento, valorização, direcionamento, treinamento. O líder precisa reconhecer seu valor único, valorizar a oportunidade de estar em contato com a pessoa certa, na hora certa, em todos os momentos.

Posso dizer que cada líder tem em sua equipe vários diamantes, inclusive ele próprio. Um líder precisa “lapidar” os diamantes, gerenciar uma equipe e liderar estabelecendo uma conexão rumo a alta performance e resultados extraordinários. Liderança de resultados pressupõe: preparo, dedicação e experiência. Pense nisso. Você também é capaz!

Paulo Alvarenga – Sócio-diretor da Crescimentum, empresa de treinamentos e consultoria especializada em desenvolvimento de líderes empresariais.

Post publicado no Portal Administradores por Paulo Alvarenga.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Você é o chefe ou o líder no seu trabalho?

iStock

Todo empreendedor que obteve um mínimo de sucesso e viu o seu negócio evoluir passou pela situação de selecionar, empregar e coordenar uma equipe de colaboradores. Se você se identifica com essa situação, com certeza ouviu os termos “chefiar” e “liderar” com relativa frequência, afinal, é esse o nível de relacionamento que você tem ou teria com essas pessoas. Mas você sabe qual a diferença entre os dois termos? E, melhor ainda, sabe qual dos dois — chefe ou líder — você é?

O chefe e o líder

Gerir uma equipe de colaboradores no sentido de metas e objetivos comuns não é nada fácil, e uma das primeiras lições a serem tomadas nesse processo é a de que chefe e líder são coisas bem distintas. A figura do chefe todo-poderoso, durão e mandão é bastante arcaica e tem por base o estímulo via coação moral e monetária. O líder, por sua vez, é figura central do “novo” modo de gerir pessoas, leva seu grupo a um status não só de otimização do processo e da produção, mas de autoconhecimento profundo.

No atual contexto econômico, quase não há mais espaço de crescimento para empresas que praticam a “chefia pura”, uma vez que o dinamismo inerente às equipes que possuem líderes capazes é necessário para que elas atendam a demandas de mercado, cada vez mais necessitado de cabeças pensantes que resolvam os problemas. E o combustível de tudo isso se resume em uma palavra mágica: motivação.

Liderar é sinônimo de motivar a equipe

Quer mais conteúdo exclusivo de Administração e Negócios?
Torne-se um Administrador Premium

O líder de uma equipe ou de uma empresa trabalha a motivação das pessoas, em diversas frentes e aspectos. Uma máxima que corre o meio corporativo e que ilustra muito bem essa situação é: “enquanto um chefe diz vá, um líder diz vamos lá?”. O líder, assim, se incorpora ao corpo da equipe, chamando para si os mesmos desafios e enfrentando as mesmas dificuldades dos colaboradores, deixando-os motivados e estimulados a desempenhar um trabalho de qualidade.

Esse trabalho do líder de motivar as pessoas acontece de forma tanto direta quanto indireta, por meio de ferramentas simples, mas muito eficazes. Bons exemplos são o estímulo ao crescimento pessoal, ao conhecimento de si e da área na qual atua, e o mais importante: se torna amigo e confidente das pessoas com quem trabalha e convive, ajudando-os a transpor dificuldades profissionais e ensinando-os a trabalhar sempre melhor.

Chefiar versus liderar

A diferença entre chefiar e liderar reside sobre aspectos bastante significativos no cotidiano de uma empresa, e também pode ser resumida em dez assertivas que comparam o comportamento de ambos:

Chefes inspiram medo, líderes inspiram entusiasmo;
Chefes sabem como as coisas são feitas, líderes mostram como as coisas são feitas;
O chefe critica; o líder ensina;
O chefe demonstra orgulho, o líder demonstra humildade;
O chefe diz “eu”, o líder diz “nós”;
O chefe cobra que se chegue no horário, o líder chega antes de todos;
O chefe conduz pessoas, o líder as orienta;
O chefe usa autoridade, o líder usa empatia;
O chefe aponta culpados por um problema, o líder e sua equipe buscam resolver o problema;
O chefe ordena, o líder ouve e pede.

Post publicado no Portal Administradores por Marcelo Toledo.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

O medo do novo ameaça as novas conquistas

O novo ano sempre sugere recomeços e é oportuno para quem, com boa dose de determinação, disciplina e coragem, quiser rever posicionamentos, quitar débitos pendentes e transformar suas condições de trabalho.

Novos ciclos também oferecem a oportunidade de colheita. Mas, só colhe quem no tempo e do jeito certo semeou.

Muitos profissionais, diante da incerteza, preferiram, “por garantia”, cultivar o que já tinham ao invés de arriscar novas direções. O medo clássico de trocar o certo pelo que ainda é duvidoso.

Mas, na vida não existe garantia de nada. E quem não ousar fazer diferente e reinventar-se vai continuar colhendo o mesmo resultado do que sempre plantou.

E verdade seja dita, o que hoje vem sendo mantido como certo, muito em breve e à revelia pode não mais sugerir certeza.

Quando a configuração de trabalho não oferece o retorno esperado é hora de romper a barreira do medo que imobiliza e, consciente dos desafios vinculados ao novo, acolher o risco do incerto em busca do que faz feliz.

Quem acredita e trabalha com dedicação na construção da justa medida, com o tempo, supera as dificuldades, ganha maturidade e alcança a eficiência e o reconhecimento devido.

Que tal receber a revista Administradores digital todos os meses?
Torne-se um Administrador Premium

Mas, é preciso querer sabendo o que, de fato, quer. O querer consciente é imperativo. É o que inquieta e torna possível enxergar outras direções.

Somente a inquietude confronta a inércia e provoca o movimento necessário para que os novos projetos saiam da intenção e ganhem uma identidade.

Esse reinício será decisivo para aqueles que se dispuserem a rever a direção e legitimar se o caminho escolhido atende ao desejo e acolhe a vocação.

Em certas fases da vida a saída está em fugir do convencional. Fazer diferente e testar novas aptidões. Investigar, reinventar e repaginar ate encontrar o diferencial.

Na percepção do mestre Cortella: “O enfrentamento do que nos amedronta exige reflexão, preparo e ação”.

É preciso fidelidade ao propósito e dedicação ao sonho. A hora da guinada é agora, não cabe desperdiçar mais tempo. É preciso fazer acontecer.

A história não garante, mas, indica que os ventos sempre sopram a favor daqueles que arriscam-se a encontrar o caminho que revela a missão.

Post publicado no Portal Administradores porWaleska Farias.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Como fazer sua equipe amar a segunda-feira

iStock
“Profissionais mais satisfeitos com o que fazem e onde o fazem são colaboradores mais eficientes”

Para boa parte das pessoas, a segunda-feira é o pior dia da semana, pois significa voltar a uma rotina de trabalho muitas vezes enfadonha ou emocionalmente desgastante. Encerrar o final de semana de lazer e descanso para retornar às atividades corriqueiras é uma transição que deve acontecer semanalmente, mas o ideal é que essa adaptação não seja difícil e sim o mais natural possível. Quando isso não acontece, de quem é a culpa?

Há algumas respostas possíveis e cada caso é um caso, mas, em geral, o problema pode ser individual ou coletivo. No primeiro cenário, o profissional está passando por uma fase difícil, e apesar de gostar do seu trabalho e da empresa na qual colabora, não consegue encontrar satisfação ali. Essa é uma questão pessoal. Mas na grande maioria das vezes o ambiente de trabalho não é motivador o suficiente para que o funcionário deseje voltar toda segunda-feira disposto a fazer seu melhor.

No livro “Até que enfim é segunda”, de Roxanne Emmerich, a consultora aborda justamente esse tema. Sua proposta é mostrar como criar um ambiente de trabalho que estimule a produtividade e consequentemente melhore os resultados financeiros da empresa em questão.

Ela dá o seguinte exemplo para ilustrar um ambiente desagradável: como em uma viagem de férias na qual a família briga no carro – um reclama, outro quer que todos sigam seu roteiro, outro está cansado e frustrado, enquanto alguém faz questão de dizer que não queria estar ali – uma empresa pode se tornar uma espécie de bolha tóxica, propícia à proliferação de comportamentos disfuncionais, transmitindo a negatividade aos clientes.

O ponto defendido pela autora é que transformar o ambiente de trabalho em um local agradável, produtivo e que nutre a criatividade, proporcionando as condições necessárias para o desenvolvimento das atividades propostas, é uma mudança que culminará em aumento de lucros e crescimento da empresa. Profissionais mais satisfeitos com o que fazem e onde o fazem são colaboradores mais eficientes, contribuindo de forma eficaz para o sucesso da equipe que integram. Um ambiente motivador é aquele para o qual se deseja voltar toda segunda-feira.

No referido livro, Emmerich compartilha suas dicas para alcançar essa atmosfera de produtividade e realização, por mais difícil que seja a situação inicial. Confira abaixo algumas das estratégias que farão você e sua equipe passarem a pensar “até que enfim é segunda”.

Assuma a responsabilidade, tome a frente

É preciso tomar a iniciativa de transformar o lugar, ainda que não você não ocupe uma posição de liderança. Uma mudança de atitude em nível pessoal, acompanhada de persistência, pode desencadear uma transformação coletiva. Como fazer isso? Observar locais – lojas, bancos, outros estabelecimentos – que transmitam harmonia e positividade, para assim captar ideias de como criar um ambiente desse tipo.

Coloque no papel o que precisa ser mudado e que tipo de comportamento deve ser substituído. Abolir atitudes prejudiciais é um ponto importante. Atente para as pessoas que precisarão de ajuda para aceitar uma mudança, e se inclua nesse grupo, se for o caso. A honestidade com os outros e consigo próprio é a chave para identificar as áreas mais problemáticas do seu ambiente de trabalho, de forma que elas possam ser expostas para a equipe, com o objetivo de mostrar o quanto certas mudanças seriam benéficas para todos.

Motive a equipe e mantenha a comunicação aberta

Se colegas ou superiores não reconhecem os esforços e desempenhos uns dos outros, é difícil encontrar motivação para fazer um bom trabalho. A frustração se torna constante e pode resultar em desânimo, inveja, insegurança, sentimentos que contribuem para que o ambiente continue tóxico e pesado.

Ao invés de esperar festas de final de ano para elogiar alguém, faça isso sempre que sentir vontade ou achar que convém. “Trate a todos da forma como gostaria de ser tratado e admita isso – como qualquer pessoa, você também gosta de receber elogios”, afirma Emmerich. Alimente boas expectativas com relação às pessoas à sua volta e recompense-as com reconhecimento e apreço verdadeiros. Mantendo a comunicação aberta dessa forma, será bem mais fácil tanto elogiar quanto fazer críticas construtivas, para que o ambiente seja agradável e inspire confiança.

Post publicado no Portal Administradores por Marcela Agra.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Trabalhar perto de casa equivale a 20 dias de folga, diz estudo

Trabalhar perto de casa e ter mais tempo para a família e o lazer é um dos novos sonhos dos brasileiros. Afinal, todos querem ganhar mais tempo livre e simplicidade na locomoção para o trabalho. De acordo com uma pesquisa do portal Emprego Ligado, os profissionais que trabalham perto de casa podem ganhar 20 dias livres por ano com a dispensa de congentionamentos, por exemplo.

“É qualidade de vida aliada à questão da produtividade. O empregado fica mais feliz e o empregador ganha em produtividade, conseguindo reter ainda mais o funcionário”, explica Jacob Rosenbloom, CEO da Emprego Ligado.

Com o trânsito caótico das grandes cidades, muitos profissionais têm optado por vagas próximas de suas residências. “O profissional quer mais tempo para o lazer e para a família. E quando ele precisa pegar mais de duas conduções para o trabalho, ele começa a não ter tanta disposição para cumprir as horas estabelecidas no contrato. E muitas vezes saí antes de completar seis meses, onerando ainda mais o RH. Segundo dados da mesma pesquisa, 37% das pessoas saíram do último trabalho devido à distância entre a sua casa e o local de trabalho. Trabalhando perto de casa e reduzindo o trajeto de três para uma hora em ida e volta de condução, o profissional consegue economizar quase um mês a mais por ano. Além disso, ele falta e se atrasa menos, se tornando mais produtivo e realizado com seu trabalho”, afirmou Rosenbloom.

A busca por melhores condições de trabalho é motivada pela atual questão da qualidade de vida, cada vez mais presente no consciente do trabalhador.

Atualmente, um dos grandes questionamentos de gestores de Recursos Humanos é a questão da retenção de profissionais em suas empresas. Afinal, “segurar” um profissional evitar o gasto com encargos durante a sua saída e com a abertura de nova vaga, seleção, contratação, capacitação de um novo profissional e integração, o que demanda tempo e muito mais trabalho. Com isso, segundo o CEO da Emprego Ligado, “o que se pensava que era irrelevante até pouco tempo, tornou-se determinante para quem procura um emprego ou uma recolocação: a localização da empresa”.

Post publicado no Portal Administradores pela Redação.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Trabalho: faça dele um lazer, um prazer

O segredo para a realização das nossas atividades, sejam elas quais forem, é trabalhar com amor. Escolher um trabalho que você ame e sentir-se realizado, fortalece, vivifica, motiva e incentiva. Quando encaramos nosso trabalho meramente como um ganha-pão, dificilmente colhemos bons resultados. Tudo torna-se chato, pesado, maçante, literalmente trabalhoso. Consequentemente, nossa entrega no trabalho é um resultado previsível, sem sinal de superação, sem amor. E, automaticamente, nossa vida também segue sem surpresas. Sim, cumprir a obrigação garante o salário, mas é só isso que basta?

Dinheiro é bom, sim, mas a satisfação de colocar paixão em nosso trabalho não tem preço ou salário que pague. Faça um teste, trabalhe durante horas com amor e não se sentirá cansado. Mas trabalhe somente alguns minutos com raiva e se sentirá tão fraco, tão triste que gostaria que o dia terminasse logo, naquele minuto. Acredito que se você ama aquilo que faz, transforma sua vida.

Assim como um relacionamento, nosso trabalho também exige dedicação, atenção e cuidados. Aliás, desde que descobri o quanto estar apaixonado pelo trabalho pode ser gratificante, sou um ser humano muito melhor.

Em minhas palestras e cursos, sempre procuro abordar o tema qualidade de vida, pois atualmente, muito se fala sobre o assunto. A sociedade cobra que a pessoa seja saudável, bem-sucedida, rica e feliz.

A partir disso, ficam as perguntas: é possível ganhar dinheiro e ter saúde, sem perder um ou outro? É possível ser um profissional de sucesso e com qualidade de vida? A resposta depende muito do que a pessoa entende por “sucesso” e “felicidade”. Porém, posso afirmar que, se seguirmos alguns princípios fáceis de entender, mas não tão fáceis de adotar (e que também servem para a vida pessoal), conseguiremos nos equilibrar sobre estes dois pilares.

Fazer do trabalho um lazer, um prazer, deveria ser uma regra para todos. É importante ter sempre o que fazer, acordar de manhã e lembrar que naquele dia você irá cumprir mais uma etapa do seu trabalho e, finalmente, que o seu trabalho trará algum benefício para você ou para os outros. Não estou falando aqui apenas de dinheiro.

Outro princípio é agir com ousadia, calma e persistência. Para ser proativo, é preciso ser ousado, mas sempre com segurança. Nada de dar um passo maior que a perna. No entanto, se ficar a dúvida, faça. As pessoas se arrependem muito mais daquilo que não fizeram. Por fim, outra dica importante é ter sempre metas. Quem não tem metas passa a vida matando o tempo. A vida sem metas é monótona e tudo o que é monótono estagna-se.

Trabalhar com o que você ama demanda alguns questionamentos que vão além do trabalho, e além do amor. A principal questão é descobrir o que realmente você gosta de fazer? Você conseguirá manter seu sustento e de sua família com este trabalho?

Quando trabalhamos com o que gostamos, uma das vantagens é trabalhar mais e com mais foco. Com isso, os resultados são ações positivas e espontâneas no trabalho.

Mas nem sempre tudo são flores, existem variáveis negativas mesmo trabalhando com o que se ama, como falta de capital, investimento financeiro inicial, espaço, mercado, problemas administrativos, processos trabalhistas etc.

Nesse caso, é importante refletir, analisar e saber dosar e equilibrar as variáveis negativas e positivas do trabalho que você escolher. Investimento, tempo, networking – não posso afirmar que “esses ingredientes” são a garantia para o sucesso, apenas compartilho idéias e experiências pessoais e em grupo que vivi, que vão muito além de livros ou cursos que fiz.

Encontrar a motivação para fazer aquilo que se gosta com sucesso é sempre um grande desafio. Na teoria, motivação é simplesmente aquilo que motiva pessoas para realizar uma ação. Acredito que a motivação pode vir de cada um de nós e também de outros cenários.

Todos nós somos resultado da combinação de nossos pensamentos, valores e ideais. Neste texto, não há intenção de pormenorizar o trabalho das pessoas, mas transmitir de que é possível amar seu trabalho e ter sucesso, sentir-se completo, sim, sem abrir mão da qualidade de vida.

A melhor decisão é dividir para multiplicar, trabalhar com calma, persistência, paciência, fazendo seu trabalho com consistência, amor e dedicação para fortalecer as atividades profissionais e pessoais. Atitudes assim proporcionam parcerias vitoriosas, dias mais leves e felizes.

 

Post publicado no Portal Administradores por Ernesto Haberkorn.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!