As 4 palavras mágicas do relacionamento humano

Existem quatro palavras mágicas que, quando as empregamos, exercem efeito especial sobre as pessoas. São elas: com licença, por favor, desculpe e muito obrigado.

Todos sabemos que elas são muito importantes para o nosso relacionamento, entretanto, parece que muitas pessoas sofrem de amnésia crônica e precisam ser lembradas diariamente disso. Utilizá-las é uma atitude que temos de adotar todos os dias até integrá-las automaticamente ao nosso comportamento. Quando as usamos demonstramos, não apenas, sentimento de consideração pelos outros mas, sobretudo, de boa educação e humildade.

As pessoas querem ser reconhecidas e tratadas com apreço e respeito. As palavras mágicas auxiliam muito no diálogo com as pessoas de nosso relacionamento, e também com todas as outras com quem nos deparamos durante o dia – quando temos que falar com elas -, seja motorista de ônibus, atendente de lanchonete, gari, telefonista ou qualquer outra pessoa.

Ao dizer “com licença”, estamos solicitando permissão para interromper alguém, fazermos ou falarmos algo e, junto com isso, uma mensagem subliminar de que respeitamos a pessoa e gostaríamos de dizer ou perguntar algo. No entanto, o tom de voz é que dirá se estamos pedindo “com licença” de forma humilde e respeitosa, ou se estamos fazendo de maneira arrogante e mal-educada. Cabe a nós nos policiarmos quanto ao modo correto de fazê-lo se quisermos evitar complicações desnecessárias.

Quando falamos “por favor” emitimos a mensagem de que precisamos ajuda ou atenção de alguém, ou como um simples gesto de polidez.

“Desculpe” é uma palavra que demonstra não somente educação, mas também maturidade de quem a pronuncia, porque nem sempre as pessoas gostam de admitir que erraram ou que fizeram algo inadequado.

“Muito obrigado”, pronunciado de forma aberta e sincera, é o melhor gesto de reconhecimento que podemos expressar quando somos auxiliados ou beneficiados em algo. A propósito, você tem o hábito de agradecer às pessoas com quem você convive em casa, no trabalho, em sua comunidade? Se não o faz desafie-se a fazê-lo todos os dias, em todas as circunstâncias que a situação se apresente.

As palavras mágicas são tão essenciais no relacionamento humano quanto o ar que respiramos, pois representam demonstrações de respeito, humildade e atenção às pessoas, e são expressões universalmente reconhecidas e apreciadas por todas as pessoas e povos em qualquer lugar do mundo.

A mais especial das palavras
É bom lembrar que as pessoas têm nome. Então, não deixe de fazer uso do nome delas sempre que conversar com alguém pessoalmente, por telefone ou e-mail. Dale Carnegie, autor de vários best-sellers sobre relações humanas, disse certa vez que o som mais suave e agradável que existe para alguém é o seu próprio nome. Lembrar-se do nome de uma pessoa que você pouco conhece, ou não vê há muito tempo, é algo que encanta qualquer um. Ao dizer o nome dela você está demonstrando estima por esse alguém, e quanto o tem em consideração, pois está registrado em sua memória.

As palavras certas podem provocar milagres
Um cego estava a pedir esmolas na rua e, ao seu lado, uma placa de papelão onde se lia: “Sou cego, por favor me ajude”. As pessoas passavam e, de quando em vez, uma ou outra moeda era lançada na latinha. Um pedestre caminhava apressadamente para o trabalho e, quando já havia passado pelo pedinte, parou subitamente, olhou em sua direção, e voltou. Pegou a placa de papelão e, do outro lado, escreveu algo. Enquanto fazia isso falou simpaticamente com o cego e depositou uma moeda no recipiente. Em seguida colocou o papelão ao lado do cego e foi embora sem dizer mais nada. Não demorou muito e o pedinte começou a ouvir o tilintar das moedas caindo sem parar na sua latinha, até entupi-la. E assim aconteceu por várias vezes. Horas depois o mesmo pedestre, voltando do trabalho, perguntou ao cego se tudo estava bem com ele. Reconhecendo a voz, o pedinte perguntou ao homem o que ele havia escrito no papelão. Este respondeu: “Escrevi a mesma coisa, só que com palavras diferentes. Pus na placa ‘Hoje está um lindo dia, mas não posso vê-lo porque sou cego’.”

Texto extraído e condensado do livro O Livro das Relações Humanas – Seu Manual para Obter Sucesso com as Pessoas, de Ernesto Berg, Juruá Editora. Para acessar o conteúdo ou adquirir o livro visite o site http://www.quebrandobarreiras.com.br seção de LIVROS

Post publicado no Portal Administradores por Ernesto Berg.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Anúncios

3 fatores fundamentais para alcançar o sucesso

Apesar do que muitos pensam, o sucesso não está ligado ao dinheiro ou à uma posição social. Ser bem sucedido é estar satisfeito com os resultados obtidos nas diversas áreas da vida, sem haver limites para ampliar esse sentimento, sempre superando as expectativas. Sendo assim, tanto um diretor de uma multinacional, como o proprietário de um carrinho de cachorro-quente podem ser consideradas pessoas de sucesso se forem as melhores naquilo que se propuseram a fazer.

Tendo este conceito em mente, seguem três dicas da coach Cibele Nardi que irão lhe aproximar do sucesso:

1 – Esteja rodeado de pessoas bem sucedidas

Segundo Jack Canfield, autor do livro “Os princípios do sucesso”, nós somos o resultado das cinco pessoas com quem mais convivemos, seja pessoalmente ou através de literatura ou outro tipo de contato. Desta forma, é importante defini-las, pois serão elas que determinarão o seusucesso. Procure estar rodeado de pessoas bem sucedidas, que irão lhe motivar a chegar lá também.

2 – Estabeleça um critério razoável de sucesso

Um dos grandes problemas ao se denominar como uma pessoa de sucesso ou não está relacionado à forma de mensurar os resultados e classificá-los. Muitos pecam pelo excesso e estabelecem um critério que nunca poderá ser alcançado mesmo que o resultado obtido seja satisfatório. Seja realista, estipule metas possíveis e o sucesso chegará com mais facilidade.

3 – Não entre em uma zona de conforto

O sucesso não tem limites para ser ampliado. Caso as metas estabelecidas em um primeiro momento já tenham sido alcançadas, não hesite em almejar voos mais altos.
Seguindo esses conceitos o sucesso estará mais próximo do que você pensava.

Post publicado no Portal Administradores pela Redação.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Onde está o seu legado?

Pesquisas apontam que vivemos em média 80 anos. Um período curto comparado com o decorrer dos tempos, no qual temos a oportunidade de deixar a nossa marca, um legado para as novas gerações. Suponha que você tenha chego aos 100 anos de vida e está prestes a soprar as velinhas em comemoração com a família. De um lado a esposa, os filhos e netos. De outro alguns amigos e conhecidos. Você sabe que dali não viverá mais 10, 20 30 anos provavelmente. E naquele momento você pensa no que plantou, no que preparou, no que estará deixando de bom e de como será lembrado quando partir.

Pare por um minuto e tente identificar o legado deixado pelos seus ascendentes. Eles poderiam ter feito algo a mais? E nós, podemos fazer algo a mais pelas nossas gerações? Uma das coisas mais importantes da vida é o que deixaremos de bom aos nossos descendentes. Há alguns anos venho preocupando-me com o legado que deixarei quando eu tiver que partir. Questiono-me: O que eu posso fazer de útil para a humanidade? O que pode ser feito por de mim para que permaneça para o bem das novas gerações? Aquilo em que acredito, ou o que eu acho que sou permanecerá quando eu se for para o descanso eterno? Minhas sementes plantadas serão úteis às novas gerações? Meus filhos, netos, bisnetos e tataranetos se lembrarão de mim como um bom homem que deixou a sua marca, ou colocarão meu nome no rol do esquecimento?

Nós vivemos em prol de uma marca, quer seja positiva ou negativa. Nossas decisões escolherão o legado que iremos deixar. Nosso legado precisa transmitir dignidade e honra ao nosso povo, sem isso, não pode ser considerado um legado. O professor Mário Sérgio Cortela, homem que tanto admiro pela sua maestria e inteligência, certa vez disse: “Qual é a sua verdade? Qual a sua essência? No dia em que você se for, essas questões irão embora com você. O que permanecerá de você no mundo? Permanecerá o seu legado. Permanecerá aquilo que você ensinou, aquilo que “ensignou”, as marcas que deixou”.
Luisinho Soares, meu amigo músico e escritor, teve uma origem pobre no sertão nordestino. Em seu livro: O Nordestino Vencedor, ele relata a trajetória trilhada entre a miséria e a conquista. Seus pais não tiveram condições de dar-lhes, a ele e a seus irmãos, um conforto material, mas plantaram-lhes as sementes de caráter, persistência e coragem que brotariam anos mais tarde. Persistente e sonhador, Luisinho resolveu que queria ser doutor. No mar da vida, quando o vento soprava contrário e as tempestades eram muito fortes, mais ele persistia e rumava pelo caminho de seu legado.

Certa vez, enquanto ainda estava na faculdade, Luisinho se aproxima da professora e diz: “A senhora é muito inteligente.” Ao que ela retruca: “Inteligente é você Luisinho, quem cria. Eu não crio nada, somente repito; estudo e repasso para vocês alunos. Ao contrário, você cria, compõe lindas canções, escreve belas letras. Você cria e eu apenas repasso o já criado”.

Homens como o médico periodista, músico e escritor Luisinho Soares, o filósofo e professor Mário Sérgio Cortela, e milhares de pessoas que passaram e estão passando por esse mundo deixando a sua contribuição, o seu legado, precisam ser valorizados. Homens que nos ensinam na prática, com suas ações, que legado se ganha, mas legado também se constrói.

Aprendemos, com exemplos dos que deixam suas marcas, que legado não se limita a um produto materializado em que passamos de gerações em gerações. Que legado é a precedência positiva; a força motriz em que levará nossos descendentes a usufruir de um mundo mais humano, mais forte e mais capaz. O que vai contra isso não é legado, pois o que não beneficia não se pode ser considerado um legado.

Quando buscarem um norte, seremos a bússola. Quando sentirem-se presos, seremos a canção da liberdade. Que cresça em nosso peito o desejo de sermos feitores de um futuro promissor. Que possamos almejar a construção de um legado palpável.

Post publicado no Portal Administradores por Jackson da Mata.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

5 orientação para combater a crise

As projeções para os próximos meses são no mínimo preocupantes, uma vez que é esperada uma alta inflacionária, proporcionando um agravamento da crise, da qual já sentimos os efeitos. Isso é reflexo tanto do mercado interno, com clara estagnação e grande índice de inadimplência da população, como do externo, no qual as grandes economias já se mostram recessivas há tempos, e países em ascensão, como a China, vêm reduzindo seu crescimento.

Enfim, o macro com certeza vai refletir no micro, isso é, em nossas contas e nossos investimentos. Contudo, mesmo com um cenário pouco animador, não há motivos para desespero, e sim para planejamentos e adequação, buscando sair fortalecido deste período. Para auxiliar, elaborei algumas orientações pertinentes:

Livre-se das dívidas – muitos pensam em como se livrar das dívidas em um momento de crise. Pode parecer impossível, mas é exatamente nesses momentos que os credores também oferecem as melhores condições para negociações. A orientação é que o primeiro passo seja o de resolver o problema que levou ao endividamento, isto é, a causa. Adequar seu padrão de vida a sua realidade é muito difícil, mas é fundamental observar que não pode viver em uma realidade que não é sua. Cortas gastos para ganhar fôlego e, assim, poder assumir o compromisso de pagar as dívidas é a melhor opção agora. Se não se livrar desse problema de forma emergencial, pode ter certeza que a alta dos juros prejudicará a sua saúde financeira no futuro.

Faça uma faxina financeira – sabia que, em média, 25% dos nossos gastos são com supérfluos? As pessoas sempre dizem que não têm mais da onde reduzir os gastos, mas, depois, quando fazem uma análise, observam que é possível. É preciso realizar um diagnóstico de sua vida financeira por 30 dias, anotando tudo o que gasta por tipo de despesa, até mesmo cafezinhos e gorjetas. Assim, verá uma realidade muito diferente do que imagina. Mas ressalto que não se deve virar escravo dessa anotação, pois, quando vira rotina, perde a eficácia.

Chegou a hora de sonhar – por mais que o cenário para muitos seja de pesadelo, nessa hora, é de grande importância sonhar, ou seja, definir os objetivos materiais, pois eles é que farão com que se tenha foco para evitar o descontrole ou mesmo o desespero. Reúna a família e converse sobre o tema, dividindo os sonhos em três tipos: curto (até um ano), médio (até dez anos) e longo (acima de dez anos) prazos, definindo também quanto custam e quanto poderão poupar por mês para realizá-los.

Mude o formato de seu orçamento – um erro comum é pensar que orçamento financeiro familiar consiste em registrar o que se ganha e subtrair o que se gasta e, caso sobre dinheiro, será lucro, se faltar, prejuízo. A forma correta, no entanto, consiste em, primeiramente, elaborar o registro de todas as receitas mensais, posteriormente, separar os valores pré-definidos para os projetos da família e, somente com o restante, adequar os gastos da família. Isso forçará um ajuste do padrão de vida familiar para conquistas financeiras.

Chegou a hora de saber investir – com a alta de juros, agora, é um bom momento para quem que investir, contudo, o grande erro que observo é a ideia de poupar sem motivo e buscar sempre o melhor rendimento. No mercado financeiro, existem diversas opções de aplicação em ativos financeiros com riscos diferentes. A orientação é procurar variar o investimento de acordo com o tempo que utilizará o dinheiro. De forma geral, o risco de uma aplicação financeira é diretamente proporcional à rentabilidade desejada pelo empreendedor, ou seja, quanto maior o retorno estimado pelo tipo de aplicação escolhida, maior será o risco, por isso, é preciso cautela.

Post publicado no Portal Administradores por Reinaldo Domingos.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

20 dicas para deixar a rotina mais produtiva

startup; trabalho; multitarefa; empreendedorismo (Foto: ThinkStock)Não basta ter uma boa equipe – é preciso muito foco, motivação e, claro, saúde, para ser produtivo (Foto: ThinkStock)

Estar muito ocupado e ser produtivo são coisas bem diferentes. Como entregar resultados é um dos principais objetivos de um empreendedor, Chad Halvorson, CEO da thisCLICKS, deu vinte dicas ao site da revista “Inc.” de como o profissional pode aproveitar melhor o seu tempo – com mais metas alcançadas e menos procrastinação.

1. Saiba onde você está e onde você quer estar
Comece os dias refletindo sobre onde você está e o que quer conquistar durante as próximas horas de trabalho. Pensar em como as tarefas diárias podem te ajudar a alcançar as metas a longo prazo serve tanto como incentivo quanto como plano de negócio.

2. Durma bem
Se você não estiver descansado, as chances de você cometer mais erros e produzir menos são maiores. Não importa se você prefere acordar cedo ou trabalhar até mais tarde, o importante é ter horas bem dormidas o suficiente para repor as energias.

3. Faça exercícios físicos
Entrar em forma pode fazer uma grande diferença na carreira de um empreendedor. Fazer mudanças simples e pequenas em torno da rotina de atividades físicas pode trazer melhorias para a vida pessoal e profissional, trazendo mais produtividade e perspectiva para alcançar os objetivos.

4. Tenha os prazos em mente
É muito mais fácil bater as metas se você está trabalhando nelas ao invés de estar limpando a caixa de e-mails.

5. Faça uma lista de prioridades
Fazer uma lista de afazeres em ordem de prioridades é uma ótima maneira de lembrar das tarefas que precisam ser realizadas. Além disso, ver o que você já completou naquele dia ou semana pode servir como um incentivo.

6. Não se comprometa demais
Não tenha medo de dizer não de vez em quando. Marcar compromissos demais em um mesmo dia pode servir mais como distração e cansaço do que como forma de produzir mais.

7. Feche as redes sociais
Feche o Facebook, o Twitter e tudo mais que servir como distração. Para ser produtivo é necessário deixar de lado tudo aquilo que pode ser utilizado para procrastinação.

8. Não faça várias tarefas ao mesmo tempo
Diversos estudos, inclusive um da Universidade do Michigan, mostram que os benefícios de se realizar várias tarefas ao mesmo tempo são mitos. O cérebro pode mudar seu foco rapidamente, mas fazer isso o tempo todo diminui a concentração e aumenta as chances de erros serem cometidos.

9. Use o Princípio de Pareto
Ou seja, mantenha o foco nos 20% das tarefas que trarão 80% dos resultados.

10. Foco no serviço
Passar um período ajudando os outros todos os dias pode servir como motivação e fazer com que as tarefas pessoais não pareçam tão assustadoras assim.

11. Divida o tempo
Em vez de ficar mudando de uma tarefa para outra, determine espaços de tempo para trabalhar em itens específicos. Faça com que os funcionários saibam que esses períodos devem ser silenciosos. Quanto mais focado você estiver, mais rápido terminará o que tem que fazer.

12. Estime o tempo de cada tarefa
Determinar um horário para terminar uma tarefa pode ser uma forma divertida de se motivar e entregar resultados.

13. Crie rotinas
Quanto melhor você adaptar as tarefas habituais dentro de uma rotina, mais energia terá para os projetos e objetivos maiores. Como a nossa força de vontade é limitada, é bom que ela seja investida em rotinas sólidas e produtivas.

14. Mude de ambiente
Fazer as mesmas coisas todos os dias no mesmo lugar pode se tornar exaustivo e entediante. Tente variar às vezes, mudando de ritmo ou trabalhando de um lugar diferente.

15. Faça exercícios físicos no meio do dia
É comprovado que exercícios físicos trazem mais energia e satisfação. Fazer isso durante um intervalo no meio do expediente pode fazer com que você se sinta revigorado e mais produtivo.

16. Não deixe os pensamentos passageiros escaparem
Anotar aqueles pensamentos ou ideias rápidas pode ser mais produtivo do que ficar tentando se lembrar deles mais tarde – e sentir-se frustrado quando não conseguir.

17. Diga “como?” em vez de “eu não posso”
Acreditar que uma tarefa é impossível é desestimulante. Logo, pense nas tarefas difíceis como desafios que podem agregar mais ao currículo e às experiências pessoais.

18. Se estiver com dificuldades, faça uma pausa
Fazer uma pausa é melhor do que forçar algo que não está dando certo. Um intervalo pode ser revigorante e trazer novas perspectivas para as tarefas.

19. Tenha um momento diário para lidar com e-mails e papelada
É melhor lidar com e-mails e papeis aos poucos e evitar que eles se acumulem e se tornem uma distração.

20. Coma lanches saudáveis
O que você come impacta a forma como você se sente. Portanto, mantenha o foco em comidas saudáveis.

Post publicado no Pequenas Empresas & Grandes Negócios pela Redação.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

7 atitudes de um verdadeiro líder

Thinkstock

Em vez de tentar perseguir um cargo de gerência, por que não se esforçar para ser um bom líder, antes de tudo? Na maioria das organizações, qualquer colaborador pode ser promovido a gerente, basta seguir a cartilha da empresa para o posto. Mas por que não se destacar como um líder e ganhar a confiança dos colegas de equipe? Isso vai ser fundamental para se manter em qualquer posto de liderança.

Algumas pessoas se contentam somente em alcançar uma posição de gerência. Outras, no entanto, preferem ser conhecidas como líderes. Veja quais são as atitudes que diferenciam um bom líder de um mero gerente e descubra a qual dos dois grupos você pertence:

1. Conectar, diariamente, o trabalho a grandes objetivos

Um mero gerente se foca apenas no curto prazo. É mais fácil manter o foco para finalizar as urgências, como fazem aqueles que não possuem um perfil de liderança, do que investir tempo e energia no que tem importância a longo prazo. Verdadeiros líderes priorizam os resultados futuros aos requisitos burocráticos da empresa, como relatórios e pareceres.

2. Pensar nos outros como pessoas

Se você se pega chamando os membros de sua equipe pelos cargos que ocupam, fique atento, pois essa é uma característica de um simples gerente. Enquanto um bom líder olha para os outros individualmente, tentando perceber o ponto forte e a fraqueza de cada um, um gerente vê apenas cargos e títulos.

3. Merecer respeito

Um grande líder quer merecer o respeito de seu time, ao passo que um mero gerente deseja apenas ser querido. Em algum momento, no decorrer da carreira de um líder, para alcançar os objetivos da organização, é preciso fazer com que os colaboradores realizem tarefas que difíceis, mas que darão resultados. Em casos assim, os líderes podem até perder a simpatia dos colegas, a princípio. Mas, com certeza, terão o respeito dos bons profissionais.

4. Empolgar-se com as conquistas do time

Meros gerentes entendem o sucesso dos membros da equipe como uma ameaça. Em vez de se sentir ofuscado pelas realizações dos colegas, um verdadeiro líder se identifica como o exemplo daquele sucesso e fica orgulhoso pelo desenvolvimento de seus liderados.

5. Capacitar os demais com honestidade e transparência

Um simples gerente tem medo de compartilhar conhecimento com seus subordinados, o que prejudica o desempenho da equipe de modo geral. Um líder, por outro lado, compreende o papel e a relevância de cada integrante e ajuda todos a fazerem um bom trabalho, até porque o sucesso do time reflete no avanço da companhia.

6. Ser responsável pelo coletivo

Um mero gerente que não conseguiu o respeito de seus subordinados está sempre sob a sombra do medo – medo de ser substituído e perder sua posição de poder. Por isso, quando sua equipe falha, em vez de assumir o ônus, ele ou ela joga a responsabilidade toda nos outros. Um verdadeiro líder, ao ver que a equipe não atingiu a meta, assume o erro e motiva os liderados a fazerem melhor.

7. Preocupar-se com os resultados

Em certas companhias, os cargos de gerência existem apenas para proteger os processos e não para capacitar os colaboradores. Mas quem liga para os processos, se os resultados são positivos? Um líder de verdade valoriza a criatividade e inovação, e entende que os processos podem ser adaptados, desde que seja o melhor para a empresa. 

Com informações do Inc.

 

Post publicado no Portal Administradores pela Redação.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Como está a relação da sua marca com o cliente?

“Seja honesto, negocie, e se um imprevisto ocorrer, fale com o seu cliente”

Não é difícil encontrar gestores das áreas comerciais e de marketing de grandes empresas, compartilhando experiências, ou até mesmo questionando, sobre a relação da sua organização com os clientes. Neste contexto, devem ser levados em conta fatores que agregam todas as áreas da administração.

Uma empresa com cultura para o cliente não tem só um departamento comercial ou de marketing pensando no mercado. Todos trabalham a favor da facilidade do cliente, claro, com foco também na rentabilidade do negócio.

Dentro de um contexto mercadológico, o que venho questionando, alguns gestores, e provocando dentro dos treinamentos aos quais realizo, é: o que é satisfação para o seu cliente? E aí começo a ouvir características do produto ou da prestação do serviço, como qualidade, agilidade da entrega e preço.

É nessa hora que o quesito rentabilidade do produto começa a ser desvalorizado. Para o cliente realmente estar satisfeito, tanto na indústria, no comércio ou na prestação de serviços, a resposta deste cliente precisa ser de boas experiências com seu produto, ponto de venda e serviço. Quando eu, como gestor, começo a trabalhar o produto e a marca do meu negócio com atributos não tangíveis, eu posso cobrar mais, porque meu cliente sabe porque compra comigo.

Uma relação verdadeira com o cliente começa com a verdade. Parece simples, mas para fechar um novo contrato, muitas vezes, prometem-se prazos ou serviços aos quais não se consiga cumprir.

Seja honesto, negocie, e se um imprevisto ocorrer, fale com o seu cliente. Peça desculpas e ofereça uma solução.

Percebo um movimento das indústrias, varejos e prestadores de serviços, e um momento de parar para pensar, de forma estratégica, qual a maneira que querem se relacionar com os clientes. Sábias as empresas que estão voltadas para esta reflexão. Mas para chegar lá é preciso parar e planejar uma comunicação estratégica para sua marca.

 

Ariana Lenz é professora da Católica de Santa Catarina (graduação e pós-graduação), mestre em Administração pela PUC-PR e consultora em Gestão de Marketing.

 

Post publicado no Portal Administradores pela Ariana Lenz.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!