7 dicas do fundador do PayPal para inovar nos negócios

Endeavor Brasil

Para Peter Thiel, cofundador do PayPal e investidor em diversas startups de alta inovação, como o Facebook, o próximo Bill Gates não criará um sistema operacional. O próximo Larry Page ou Sergey Brin não desenvolverá um mecanismo de busca. E o próximo Mark Zuckerberg não criará uma rede social. Se você está copiando essas pessoas, não está aprendendo com elas. É mais fácil copiar um modelo que inovar e criar algo novo.

O progresso vem do de um conhecimento inovador, não da competição. Se você faz o que nunca foi feito e consegue fazer melhor do que qualquer um, tem uma espécie de monopólio — e qualquer negócio tem mais chances de ser bem-sucedido quando não pode ser copiado. Mas quanto mais você compete, mais se torna parecido com todo o resto. A competição destrói os lucros dos indivíduos, das empresas e da sociedade como um todo.

Em 2014, Peter lançou o livro De zero a um: O que aprender sobre empreendedorismo com o Vale do Silício. Ele não oferece fórmula para o sucesso. O paradoxo de ensinar empreendedorismo é que tal fórmula não pode existir. Como cada inovação é única, nenhuma autoridade consegue prescrever em termos concretos como inovar. Toda inovação vai de 0 a 1.

Confira as principais ideias abordadas por Peter Thiel no livro:

 1) Pense em quais empresas ou negócios ainda não foram criados. Empreendedores precisam pensar no diferente, naquilo que ainda não é oferecido no mercado. Competir é para fracassados. É preciso focar em inovar, ser único.

2) Para Thiel, ensinar empreendedorismo é um paradoxo, uma vez que tal fórmula não pode existir. Toda inovação vai de 0 a 1, na medida em que passa a ocupar uma fatia do mercado que antes era inexistente.

3) Existem apenas dois tipos de empresas no mundo: aquelas que estão em uma competição acirrada e aquelas que detêm algum conhecimento totalmente novo. As melhores empresas investem em deter o conhecimento do que ela criou.

4) Empresas e pessoas diferenciadas serão mais importantes na definição do futuro do que aquilo que está na moda ou é segmentado. Mas não é preciso ter medo de estar em um setor badalado, apenas certifique-se de estar criando/produzindo algo único. As melhores oportunidades estão nos problemas sem solução. Aprenda a fazer as perguntas certas para descobri-las.

5) É preciso ter uma tecnologia que seja a melhor. Só assim a empresa ganha tempo e evita que alguém a copie. Quando se começa uma empresa, é preciso começar pequeno e mirar um mercado pequeno, mas tendo espaço para sonhar grande e crescer.

6) A maneira como a equipe trabalha é muito importante. Uma startup de sucesso é sempre resultado de uma combinação de três elementos essenciais: pessoas certas, boa tecnologia e um plano de negócios. Uma empresa bem-sucedida não é resultado de um voo solo.

7) A empresa nunca deve ser burocrática. Ela precisa ser dinâmica. Os papeis precisam ser bem definidos, mas podem ser redefinidos.

Sobre Peter Thiel

Peter Thiel é cofundador do Paypal e da Palantir Technologies, uma empresa de software especializada em análise de dados. Investiu em centenas de startups, incluindo o Facebook. É sócio da Founders Fund, empresa de capital de risco que financiou startups como SpaceX e Airbnb. Fundou a Thiel Fellowship, cujo objetivo é estimular jovens a colocar o aprendizado acima da escolaridade. No Brasil, investiu na Oppa, loja de móveis.

Post publicado no Portal Administradores por Endeavor Brasil.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Por que uma meta é importante?

iStock

É muito comum uma pessoa ter desejos e sonhos e acreditar possuir uma meta.

Esse engano não é culpa da pessoa, provavelmente, ninguém a ensinou, corretamente, o que é uma meta ou porque uma meta é importante.

Claro, o desejo ou sonho também é importante, mas o diferencial é que uma meta possui um planejamento e plano de ação que permita a conquista de seu objetivo.

O conceito é muito parecido com a construção de uma casa: Para concluir uma construção, é necessário um planejamento sobre o que se deseja e um plano de ação para a conclusão.

Uma meta é muito importante, porque permite que você alcance um sonho ou desejo que possa parecer irreal nesse momento para você.

Com o correto planejamento e definição de metas, qualquer objetivo torna-se possível, desde conquistar sucesso profissional à melhorar sua saúde.

Isso acontece, porque uma meta é a criação de um passo a passo (também chamado de plano de ação) específico.

Ou seja, o desejo e um sonho é a “linha de chegada” da sua meta, algo que a principio pode ser visto como difícil, irreal ou incapaz. Conforme vamos definindo e executando passos menores, a dificuldade diminui e a cada passo o objetivo torna-se mais real e alcançável.

Uma meta é um desejo completamente específico. Deve estar completamente claro para você:

Onde você está (a linha de partida para a conquista da meta)
O que você vai conquistar (a linha de chegada da meta)
Como você vai conquistar (o planejamento, passo a passo, bem estruturado)
Como vai ser quando você conquistar (um dos fatores mais ignorados pelas pessoas).

É importante lembrar outra importância das metas: A realização pessoal.

Quando vivemos sem alcançar nossos sonhos, acumulamos frustrações e decepções na vida. Com certeza, você conhece alguém que tenha se arrependido de algo que não fez, não é verdade?
Isso acontece porque quando não construímos metas para nossa vida ou não buscamos realizarmos nossos sonhos e desejos, passamos a aceitar apenas o que a vida nos oferece e isso, muitas vezes, gera uma vida infeliz para as pessoas.

É importante notar que querer uma realidade melhor não é errado ou vergonhoso, muito pelo contrário é um fator muito importante para alcançar a auto realização, a mais alta necessidade humana definida pelo psicólogo americano Abraham Maslow em seu trabalho mais reconhecido: A pirâmide de Maslow ou Hierarquia de Necessidades.

Podemos concluir que estabelecer e definir metas é importante para a harmonia e realização em nossas vidas.

Após entendermos porque é importante transformar sonhos e desejos em metas, devemos entender como definir corretamente as metas.

Post publicado no Portal Administradores por Sergio Ricardo.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Onde está o seu legado?

Pesquisas apontam que vivemos em média 80 anos. Um período curto comparado com o decorrer dos tempos, no qual temos a oportunidade de deixar a nossa marca, um legado para as novas gerações. Suponha que você tenha chego aos 100 anos de vida e está prestes a soprar as velinhas em comemoração com a família. De um lado a esposa, os filhos e netos. De outro alguns amigos e conhecidos. Você sabe que dali não viverá mais 10, 20 30 anos provavelmente. E naquele momento você pensa no que plantou, no que preparou, no que estará deixando de bom e de como será lembrado quando partir.

Pare por um minuto e tente identificar o legado deixado pelos seus ascendentes. Eles poderiam ter feito algo a mais? E nós, podemos fazer algo a mais pelas nossas gerações? Uma das coisas mais importantes da vida é o que deixaremos de bom aos nossos descendentes. Há alguns anos venho preocupando-me com o legado que deixarei quando eu tiver que partir. Questiono-me: O que eu posso fazer de útil para a humanidade? O que pode ser feito por de mim para que permaneça para o bem das novas gerações? Aquilo em que acredito, ou o que eu acho que sou permanecerá quando eu se for para o descanso eterno? Minhas sementes plantadas serão úteis às novas gerações? Meus filhos, netos, bisnetos e tataranetos se lembrarão de mim como um bom homem que deixou a sua marca, ou colocarão meu nome no rol do esquecimento?

Nós vivemos em prol de uma marca, quer seja positiva ou negativa. Nossas decisões escolherão o legado que iremos deixar. Nosso legado precisa transmitir dignidade e honra ao nosso povo, sem isso, não pode ser considerado um legado. O professor Mário Sérgio Cortela, homem que tanto admiro pela sua maestria e inteligência, certa vez disse: “Qual é a sua verdade? Qual a sua essência? No dia em que você se for, essas questões irão embora com você. O que permanecerá de você no mundo? Permanecerá o seu legado. Permanecerá aquilo que você ensinou, aquilo que “ensignou”, as marcas que deixou”.
Luisinho Soares, meu amigo músico e escritor, teve uma origem pobre no sertão nordestino. Em seu livro: O Nordestino Vencedor, ele relata a trajetória trilhada entre a miséria e a conquista. Seus pais não tiveram condições de dar-lhes, a ele e a seus irmãos, um conforto material, mas plantaram-lhes as sementes de caráter, persistência e coragem que brotariam anos mais tarde. Persistente e sonhador, Luisinho resolveu que queria ser doutor. No mar da vida, quando o vento soprava contrário e as tempestades eram muito fortes, mais ele persistia e rumava pelo caminho de seu legado.

Certa vez, enquanto ainda estava na faculdade, Luisinho se aproxima da professora e diz: “A senhora é muito inteligente.” Ao que ela retruca: “Inteligente é você Luisinho, quem cria. Eu não crio nada, somente repito; estudo e repasso para vocês alunos. Ao contrário, você cria, compõe lindas canções, escreve belas letras. Você cria e eu apenas repasso o já criado”.

Homens como o médico periodista, músico e escritor Luisinho Soares, o filósofo e professor Mário Sérgio Cortela, e milhares de pessoas que passaram e estão passando por esse mundo deixando a sua contribuição, o seu legado, precisam ser valorizados. Homens que nos ensinam na prática, com suas ações, que legado se ganha, mas legado também se constrói.

Aprendemos, com exemplos dos que deixam suas marcas, que legado não se limita a um produto materializado em que passamos de gerações em gerações. Que legado é a precedência positiva; a força motriz em que levará nossos descendentes a usufruir de um mundo mais humano, mais forte e mais capaz. O que vai contra isso não é legado, pois o que não beneficia não se pode ser considerado um legado.

Quando buscarem um norte, seremos a bússola. Quando sentirem-se presos, seremos a canção da liberdade. Que cresça em nosso peito o desejo de sermos feitores de um futuro promissor. Que possamos almejar a construção de um legado palpável.

Post publicado no Portal Administradores por Jackson da Mata.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Quem disse que você sabe de tudo?

iStock

Um dos principais fatores para os jovens saírem da universidade com medo está na arrogância com que percorreram essa jornada
Há muito tempo eu li uma dessas mensagens de internet que dizia: “O pior cego é aquele que não sabe ouvir.” Nossa, sabe quando você para e fica pensando sobre o assunto por um bom tempo? Aconteceu comigo. Fiquei matutando sobre o que isso queria dizer.

Porventura, tive alguns amigos que tiveram sérios problemas nos olhos e acabaram perdendo a visão e, quando resolvi perguntar para eles sobre isso, a resposta girava em torno de “já que não podemos enxergar, o tato e a audição são nossos sentidos mais importantes para nos comunicarmos com o mundo. A audição ainda mais, precisamos ouvir muito.”

Depois de quebrar a cabeça um bocado, pensei: “E se essa for a forma como, muitas vezes, os jovens estão entrando no mercado?”

Existe aquela euforia de quando entra na faculdade, o mundo novo, a libertação, o poder de ser visto como um adulto e todo o potencial existente que será desenvolvido em alguns longos anos que, no entanto, com o andar da carruagem, parecem ser bem mais curtos e o resultado esperado acaba por ser muito diferente.

No final da jornada, o medo domina, pois normalmente os jovens sentem que as oportunidades não são tantas, ou pelo menos eles não aprenderam a encontrar essas tantas que realmente existem. A concorrência é cruel, ou pelo menos eles não conseguiram desenvolver seu diferencial a ponto de não se preocuparem. No entanto, a grande verdade é que, no apagar das luzes, a maioria não está pronta, deixando a dúvida: o que aconteceu?

A resposta à pergunta acima é exatamente o que falamos no início do artigo: eles entraram de olhos fechados e ouvidos tapados. Ou seja, prepotência. De todos os eventos, pesquisas, conversas que tive com empresários a vida inteira, a maior reclamação da nova geração que entra no mercado é, disparada: “eles acham que sabem tudo, são arrogantes, parecem não querer aprender”. Sim, eu sei, existem exceções. Mas estamos falando da maioria e, infelizmente, essa grande parte se encaixa no ditado.

Essa euforia de tantas possibilidades, da supervalorização de jovens talentos que conseguiram o mundo (normalmente, por suarem além do imaginável), às vezes deixa as pessoas com um falso senso de “super expertise”. O que quer dizer: acham que sabem mais do que realmente sabem. E o problema disso é que quem sabe tudo não tem mais o que aprender. Mas os jovens, que são mais novos e têm menos experiências, não deveriam ser os que mais buscam aprendizados?

Viu? Temos uma incoerência.

Em um mercado tão dinâmico, com novos conhecimentos surgindo a uma velocidade inimaginável, saber aprender e aproveitar aquilo que os outros querem e precisam nos ensinar é vital, sem falar que é mais inteligente. Afinal, quem não aprende, não evolui, e quem não evolui não tem chance alguma.

Acredito que ao final da jornada acadêmica esse medo tão grande seria bem menor – mas não inexistente – se a maioria tivesse mais pé no chão, sem querer chegar às empresas já querendo ser gerente.

Se você é jovem, lembre-se de que quando você pensar “Isso eu já sei” pode ser que esteja perdendo uma chance maravilhosa de aprender algo novo e evoluir. E se você já é um pouco mais experiente, não tenha medo de puxar algumas orelhas.

No fim das contas, o que posso dizer é: “A mente de uma pessoa que não precisa mais aprender é limitada como uma viseira muito estreita. Já a mente aprendiz é infinita em possibilidades e conhecimentos”. Faça suas escolhas.

Post publicado no Portal Administradores por Bruno Perin.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Seja um criador de oportunidades

A todo momento estamos sendo desafiados a fazer mais e melhor, sermos perfeitos e sem chance a erro, mas para que criar as oportunidades em primeiro lugar necessitamos de ATITUDES para mudar, além disso abaixo algumas dicas para não perder boas oportunidades:

1) Não tenha medo de tentar – O grande problema que normalmente acontece é o medo de sair da zona de conforto, as vezes as pessoas não criam as oportunidades por não acreditarem em seu potencial, no produto ou serviço. Tudo é motivo para não tentar, o governo, a crise, a instabilidade econômica, ou seja, todas as desculpas possíveis para se manter no mesmo lugar.

2) Esteja preparado – Antes de estar preparado é ter a certeza do que realmente você quer. Já descobriu suas melhores habilidades? Caso a resposta seja afirmativa, siga o seu caminho. O que você aprendeu diferente de sua rotina no último ano, nos últimos dois ou três anos? Por acaso você não está parado no tempo esperando pelas oportunidades sem estar preparado. Já fez sua graduação, MBA ou Especialização? Curso de língua estrangeira ou de informática? Se a oportunidade que você tanto espera aparecer hoje, você estaria pronto?

3) Problema da achologia – Esse é um grande mal que enfrentamos no dia a dia, pois achar sem ter certeza é pior que não tentar. Além disso sempre tem mais gente “esperta” que irá dizer… “isso não é para você”, “já tentaram fazer isso e nunca deu certo”. Afaste-se dessas pessoas negativas, pois o que você vai conseguir com elas são as mesmas coisas que você tem hoje.

4) Rede de relacionamentos – Foi comprovado cientificamente que mais de 50% dos negócios mundiais são feitos com amigos, ou conhecidos de amigos. Então seu networking será fundamental para o sucesso de seu negócio. Portanto, amplie sua rede de contatos, faça novas amizades e crie vínculos sociais para trocar informações.

5) Correr riscos calculados – Para criar novas oportunidades será necessário correr alguns riscos, desde que sejam calculados, claro. Mas uma coisa que aprendi nessa vida é que “algumas portas abrem somente à medida que andamos”, ou seja, precisamos sair da zona de conforto e ir para zona de expansão para ver o que o futuro nos reserva.

Já pensou quantas oportunidades você já deixou ou está deixando passar na sua vida por falta de tomar uma atitude? Descubra seu talento e siga o seu caminho, tenha a certeza que todos nós temos talentos escondidos e que ainda não foram lapidados. Encontre o seu e vai viver uma vida muito mais feliz. E se a oportunidade não aparecer, crie ela, seja inovador e não tenha medo de errar.

“Cada um de nós é melhor do que alguém em alguma coisa!”
Kare Anderson

Post publicado no Portal Administradores por Leonardo Siqueira.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Você pode e deve sonhar, mas antes é preciso planejar

Reprodução/ iStock
A falta de um rumo traz consequências desastrosas para qualquer ser humano e para qualquer profissional

A falta de um rumo traz consequências desastrosas para qualquer ser humano e para qualquer profissional

É muito comum nos depararmos com pessoas que estão o tempo todo correndo, para tudo quanto é lugar, de forma desenfreada, acreditando que se assim não fizerem, não chegarão a lugar nenhum e nem conseguirão ser alguém.

Mas o que essas pessoas não sabem é que dessa maneira elas não chegarão a lugar nenhum mesmo. Mas não porque estão correndo de forma desenfreada – o que consome, sim, muita energia e recursos –, mas porque correm sem ter um rumo certo, sem saber aonde querem chegar.

O que essas pessoas não sabem é que sem um grande objetivo ou meta em mente, não faz diferença andar devagar ou correr. Na idade da pedra, por exemplo, os humanos também corriam, mas lá eles sabiam que se não corressem seriam devorados pelos selvagens animais. Ou seja, eles tinham um objetivo, um propósito. E por isso funcionava.

A falta deste rumo traz consequências desastrosas para qualquer ser humano e para qualquer profissional. Algumas dessas consequências são:

• Perda de tempo e energia;
• Gasto de dinheiro desnecessário;
• Empregos frustrantes;
• Alianças e parcerias desgastantes;
• Stress;
• Doenças do corpo e da mente pelas diversas insatisfações pessoais e profissionais;
• Desmotivação;
• Falta de foco na vida e na carreira;
• Problemas financeiros e econômicos;
• Discórdias afetivas.

Infelizmente essa lista é imensamente maior e capaz de trazer problemas muito graves às pessoas e profissionais.

Você já ouviu aquela expressão popular “barata tonta”? Pois é exatamente assim que fica uma pessoa sem foco: rodando, de forma enlouquecida, sem chegar a lugar algum.

Todo início de ano acaba sendo uma motivação para novas metas e objetivos, mas infelizmente a maioria delas fica só no discurso.

Bem como o domingo a noite, onde se planeja começar um curso, uma dieta… planos que são deixados de lado no primeiro contratempo da segunda de manhã.
Pois bem, sucesso e felicidade são duas palavras que todo mundo busca. Mas buscá-las de forma aleatória também não vai levar a

lugar nenhum, muito menos ao próprio sucesso e felicidade.
Quer mais conteúdo exclusivo de Administração e Negócios?
Torne-se um Administrador Premium

Ter um rumo na vida e na carreira é ter um grande sonho que será buscado e realizado dentro de um espaço de tempo. É sim um grande fator motivador. Fator, inclusive, que as empresas investem milhares de reais em palestras, cursos, workshops e o que for para incuti-lo na cabeça de seus funcionários, mas quase sempre jogando muito dinheiro fora.

Por quê? Simples! A motivação é um fator que vem de dentro para fora. Se houver fatores externos que possam ajudar, acaba sendo um verdadeiro ganha-ganha para todas as pessoas, profissionais e empresas. Mas é preciso que isso também venha de dentro.

Quer maior motivador do que ter um rumo na vida e na carreira? Um sonho ou objetivo que só pela busca e na visualização do atingimento já traz a tal MOTIVAÇÃO? Afinal, significa “motivos que levam à ação”. Faz sentido, não?

Por isso, é necessário que as pessoas e empresas revejam no que estão investindo e invistam em ferramentas que deem um rumo em suas vidas e carreiras. Assim, teremos pessoas e colaboradores, de fato, automotivados, com foco e altamente produtivos. E depois disso, garantir que essa automotivação seja mantida – senão as pessoas perdem novamente o foco e os colaboradores vão atrás de empresas que atendam suas novas necessidades.

Muitas vezes também vejo que a própria palavra “planejar” assusta as pessoas e os profissionais, afinal, está muito ligada a metas empresariais apenas. Sim, planejamento é fundamental para empresas de sucesso, mas também para pessoas e profissionais que querem ter sucesso na vida e profissão.

Planejar é ter muito claro o rumo que se quer atingir dentro de um espaço de tempo. Por isso, com este direcionamento e foco, é possível saber e analisar claramente tudo o que precisamos para chegar neste grande sonho e/ou objetivo. Este rumo é o destino final para você chegar. Imagine um avião ou um navio sem rumo específico? Seria um caos. Na vida também.

Planejar é direcionar seus esforços e recursos disponíveis para chegar neste destino, rumo, sonho, ou seja lá como você prefere chamar! Mas fica aqui uma observação: junto com o rumo tem que vir a estratégia de atitude. Só planejar sem agir também não leva a lugar nenhum. “Intenção sem ação não leva a lugar nenhum”.

E para finalizar nossa análise, se você ainda tem dúvidas dos benefícios que ganhará planejando sua vida e carreira, vou listar alguns deles:

• Foco;
• Clareza;
• Aproveitar da melhor maneira as oportunidades que aparecerem;
• Saber se defender das ameaças;
• Se preparar e potencializar seus talentos e suas forças;
• Corrigir suas fraquezas ou limitações, pois sabe que se não o fizer, não vai chegar lá;
• Economizar dinheiro;
• Conquistar saúde física, mental e emocional;
• Aumento de produtividade;
• Fazer muito mais com muito menos;
• Ganhar muito mais qualidade de vida;

Quer ter sucesso e ser feliz? Tenha um rumo certo e vá atrás dele. Simples assim. E só depende de você.

Alexander Baer – Presidente da Alexander Baer e Associados, Palestrante Profissional, Professor Convidado do MBA da Fundação Getúlio Vargas e Fundação Getúlio Vargas Corporativa, e também Coach Estratégico®, com atuação nacional nas áreas de Planejamento Estratégico Organizacional e de Vida e Carreira. http://www.alexanderbaer.com.br.

Post publicado no Portal Administradores por Alexander Baer.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

05 atitudes para você se vacinar contra os bloqueios externos

Jamais aceite qualquer limitação para seu crescimento que venha de terceiros. Infelizmente, há mais pessoas dispostas a atuar como “freio” dos sonhos das demais, que propriamente pessoas que não só compreendem a importância dos sonhos, como estimulam a perseguição destes sonhos.

Na verdade, a motivação humana para o crescimento e para a realização de sonhos e metas é uma decisão de “soltar os freios” das rodas. Não precisamos tanto assim que sejamos “empurrados” pelos demais, precisamos, de fato, nos acostumar com a ideia de que a motivação nasce do coração e que é uma decisão pessoal das mais sérias e gratificantes.

Para seu crescimento, em todas as dimensões em que este se dá, o mais importante é que:

1) você decida pelo caminho do seu crescimento; A única certeza que temos é que não podemos mais desperdiçar nossa vida, nossos projetos, ou mesmo nossos objetivos; Não! Chega de perder tempo, energia e oportunidades! Tudo isso aqui que vivemos é muito maravilhoso e mágico! Mas ao mesmo tempo vulnerável, efêmero….

2) você realmente queira crescer; Faça um, pacto com você mesmo de sonhar alto. E sonhe alto mesmo! Não permita mais que seus sonhos sejam trocados por lembranças, É assim que se envelhece: quando se tem mais lembranças do que sonhos! Volte a sonhar já,aqui e agora, pois a grande verdade é que você é a pessoa que escolhe ser. Todos os dias você decide se continua do jeito que é ou muda,

3) você aceite de coração que pode crescer; a literatura poética nos leva a afirmar que viver é nadar em mar aberto. É estar atento a todas as possibilidades que existem a sua volta. Nesse mar envolto vamos de braçada a braçada ajustando o curso, tentando descobrir quando é melhor insistir e quando é melhor desistir e deixar pra lá. Se deixar levar. O mar da vida, entre batalhas ganhas e ondas perdidas, o nadador avança, recua, volta a avançar. Se lança, às vezes, sem certeza nenhuma na correnteza do infinito. E abrir-se a todas as possibilidades é mergulhar na beleza de estar vivo hoje. O mais importante de tudo é você sentir o coração pulsar esteja você em situação que estiver, alegre, triste, do jeito que o seu coração mandar. Mas acredite: viver é muito bom e a gente só tem hoje pra continuar!

4) você dispense a estimulação negativa de outras pessoas; Para Skinner  ao definir pela primeira vez o conceito de autocontrole em seu livro “Ciência e Comportamento Humano”, diz que: “…com frequência o indivíduo vem a controlar parte de seu próprio comportamento quando uma resposta tem consequências que provocam conflitos – quando leva tanto a reforço positivo quanto a negativo…”

5) você se vacine contra os que não querem ver você crescer.de posse de qualquer situação, o recado é o seguinte: você tem de ser você, Sempre e ponto final. independentemente de seus pais de seus parente, amigos ou mesmo de sua infância. Se você não foi amado, procure um jeito de encontrar amor. Se você era inseguro, descubra a coragem dentro de si. Não deixe que o passado defina sua vida!

Veja alguns exemplos de pessoas que não compreenderam (ou não souberam avaliar) o potencial de homens e mulheres que entraram na história, porque tinham algo a nela deixar:

Em 1965, o homem Edson Arantes do Nascimento, foi barrado no treinamento de um time de futebol do interior paulista, pois a alegação era que ele não servia para ser jogador de futebol, no entanto o Edson Arantes do Nascimento, conhecido por “Pelè” foi o maior jogador de futebol do mundo, e até hoje ninguém conseguiu angariar o apelido de “Rei do Futebol”, que foi carinhosamente doado a ele.

Em 1952, um editor de livros recusou-se a publicar o “Diário de Anne Frank”, alegando que “…a moça não tem qualquer percepção do sentimento especial que possa elevar o livro acima do nível de uma curiosidade”. “O Diário de Anne Frank” é uma das mais humana obras jamais publicadas. Hoje ninguem lembra do editor, mas quanto ao livro O Diário de Anne Frank….

O que podemos depreender destes exemplos e que venham a ser úteis para o desdobramento do conteúdo deste artigo? Sem querer fazer abstrações pouco consistente, podemos entender que:

1) você sempre será o grande arquiteto, o engenheiro e o principal beneficiário do seu projeto de vida;

2) Você deve seguir a sua trajetória de crescimento de forma independente. Corra o risco de seguir a direção para onde aponta o seu nariz… e vá atrás dele!

3) e por último, não menos importante, você não deve esperar que outras pessoas “autorizem” o seu processo de crescimento.

Post publicado no Portal Administradores por Edil Silveira.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!