Qual o tamanho do seu sonho?

Este é um dos grandes dilemas da vida.

Chega uma hora que o que mais queremos é tranquilidade, menos dores de cabeça, um trabalho menos estressante, enfim, levar a vida numa boa. Mas nem todo mundo gosta disso, certo?!

Existem pessoas que nasceram para solucionar problemas, que sentem prazer e motivação em ser o “desengripante” que desemperra aquela engrenagem enferrujada que pode ser um processo, uma pessoa ou a própria equipe. Pessoas que pensam como empreendedores dentro das empresas para quais vendem o seu tempo em troca de uma remuneração justa e buscam ter papel relevante dentro dos resultados da organização.

Mas e quando o ambiente não ajuda ? Quando os líderes tolhem a criatividade e a iniciativa das pessoas ? O que fazer ? Como podemos ver existem “n” variáveis que acabam favorecendo ou prejudicando nossa capacidade de sonhar. Então esse é o momento de ter um maior senso crítico e saber peneirar aquilo que é realidade e o que é simples comodismo ou aceitação do inaceitável.

O ambiente impacta bastante na nossa capacidade de sonhar, porque nele a maioria das pessoas é de personalidade reativa e desta forma tendem a ver o que está errado ao invés das oportunidades e assim sendo acabamos sendo bombardeados por reclamações ou com frases como “aqui sempre foi assim”, “não é da minha responsabilidade”, “atrasei o relatório porque fulano não me enviou as informações em tempo hábil”, etc.

A auto sabotação também prejudica nossa capacidade de sonhar, isto acontece quando colocamos a culpa das nossas frustrações em terceiros, ou seja, na esposa ou marido que não apoia sua ideia, no chefe que não percebe o seu valor, na empresa que não dá oportunidade de crescimento e até mesmo no bom salário que remunera uma função medíocre. Tudo isso leva a pessoa a zona de conforto e mata nossa capacidade de realização.

Então, diante de todas essas variantes acredito que sonhar grande ou sonhar pequeno dá o mesmo trabalho. Quem sonha pequeno reclama da vida, da esposa, do chefe, da empresa e perde seu tempo procurando desculpas que justifiquem suas frustrações.

Agora se você está entre os 15% das pessoas (estimativa minha) pró-ativas que querem fazer a diferença, mesmo que em alguns momentos tenha uma recaída se tornando temporariamente reativo (pode ser o que está acontecendo agora) busque o que te trouxe até aqui, qual era o seu propósito e nessa retrospectiva tente identificar onde você perdeu a capacidade de sonhar grande. Busque recuperar essa capacidade, revigore sua mente e tenha uma atitude mais positiva e pró-ativa, no começo vai ser difícil mas de passo em passo você vai evoluindo, percebendo os resultados positivos dessa mudança e recuperando o hábito de ser inquieto e obcecado pela excelência de seus resultados.
Por isso sonhe grande!!! E tenha uma atitude grande para poder realizá-lo.

Post publicado no Portal Administradores por Clerence willians.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

7 dicas do fundador do PayPal para inovar nos negócios

Endeavor Brasil

Para Peter Thiel, cofundador do PayPal e investidor em diversas startups de alta inovação, como o Facebook, o próximo Bill Gates não criará um sistema operacional. O próximo Larry Page ou Sergey Brin não desenvolverá um mecanismo de busca. E o próximo Mark Zuckerberg não criará uma rede social. Se você está copiando essas pessoas, não está aprendendo com elas. É mais fácil copiar um modelo que inovar e criar algo novo.

O progresso vem do de um conhecimento inovador, não da competição. Se você faz o que nunca foi feito e consegue fazer melhor do que qualquer um, tem uma espécie de monopólio — e qualquer negócio tem mais chances de ser bem-sucedido quando não pode ser copiado. Mas quanto mais você compete, mais se torna parecido com todo o resto. A competição destrói os lucros dos indivíduos, das empresas e da sociedade como um todo.

Em 2014, Peter lançou o livro De zero a um: O que aprender sobre empreendedorismo com o Vale do Silício. Ele não oferece fórmula para o sucesso. O paradoxo de ensinar empreendedorismo é que tal fórmula não pode existir. Como cada inovação é única, nenhuma autoridade consegue prescrever em termos concretos como inovar. Toda inovação vai de 0 a 1.

Confira as principais ideias abordadas por Peter Thiel no livro:

 1) Pense em quais empresas ou negócios ainda não foram criados. Empreendedores precisam pensar no diferente, naquilo que ainda não é oferecido no mercado. Competir é para fracassados. É preciso focar em inovar, ser único.

2) Para Thiel, ensinar empreendedorismo é um paradoxo, uma vez que tal fórmula não pode existir. Toda inovação vai de 0 a 1, na medida em que passa a ocupar uma fatia do mercado que antes era inexistente.

3) Existem apenas dois tipos de empresas no mundo: aquelas que estão em uma competição acirrada e aquelas que detêm algum conhecimento totalmente novo. As melhores empresas investem em deter o conhecimento do que ela criou.

4) Empresas e pessoas diferenciadas serão mais importantes na definição do futuro do que aquilo que está na moda ou é segmentado. Mas não é preciso ter medo de estar em um setor badalado, apenas certifique-se de estar criando/produzindo algo único. As melhores oportunidades estão nos problemas sem solução. Aprenda a fazer as perguntas certas para descobri-las.

5) É preciso ter uma tecnologia que seja a melhor. Só assim a empresa ganha tempo e evita que alguém a copie. Quando se começa uma empresa, é preciso começar pequeno e mirar um mercado pequeno, mas tendo espaço para sonhar grande e crescer.

6) A maneira como a equipe trabalha é muito importante. Uma startup de sucesso é sempre resultado de uma combinação de três elementos essenciais: pessoas certas, boa tecnologia e um plano de negócios. Uma empresa bem-sucedida não é resultado de um voo solo.

7) A empresa nunca deve ser burocrática. Ela precisa ser dinâmica. Os papeis precisam ser bem definidos, mas podem ser redefinidos.

Sobre Peter Thiel

Peter Thiel é cofundador do Paypal e da Palantir Technologies, uma empresa de software especializada em análise de dados. Investiu em centenas de startups, incluindo o Facebook. É sócio da Founders Fund, empresa de capital de risco que financiou startups como SpaceX e Airbnb. Fundou a Thiel Fellowship, cujo objetivo é estimular jovens a colocar o aprendizado acima da escolaridade. No Brasil, investiu na Oppa, loja de móveis.

Post publicado no Portal Administradores por Endeavor Brasil.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Por que uma meta é importante?

iStock

É muito comum uma pessoa ter desejos e sonhos e acreditar possuir uma meta.

Esse engano não é culpa da pessoa, provavelmente, ninguém a ensinou, corretamente, o que é uma meta ou porque uma meta é importante.

Claro, o desejo ou sonho também é importante, mas o diferencial é que uma meta possui um planejamento e plano de ação que permita a conquista de seu objetivo.

O conceito é muito parecido com a construção de uma casa: Para concluir uma construção, é necessário um planejamento sobre o que se deseja e um plano de ação para a conclusão.

Uma meta é muito importante, porque permite que você alcance um sonho ou desejo que possa parecer irreal nesse momento para você.

Com o correto planejamento e definição de metas, qualquer objetivo torna-se possível, desde conquistar sucesso profissional à melhorar sua saúde.

Isso acontece, porque uma meta é a criação de um passo a passo (também chamado de plano de ação) específico.

Ou seja, o desejo e um sonho é a “linha de chegada” da sua meta, algo que a principio pode ser visto como difícil, irreal ou incapaz. Conforme vamos definindo e executando passos menores, a dificuldade diminui e a cada passo o objetivo torna-se mais real e alcançável.

Uma meta é um desejo completamente específico. Deve estar completamente claro para você:

Onde você está (a linha de partida para a conquista da meta)
O que você vai conquistar (a linha de chegada da meta)
Como você vai conquistar (o planejamento, passo a passo, bem estruturado)
Como vai ser quando você conquistar (um dos fatores mais ignorados pelas pessoas).

É importante lembrar outra importância das metas: A realização pessoal.

Quando vivemos sem alcançar nossos sonhos, acumulamos frustrações e decepções na vida. Com certeza, você conhece alguém que tenha se arrependido de algo que não fez, não é verdade?
Isso acontece porque quando não construímos metas para nossa vida ou não buscamos realizarmos nossos sonhos e desejos, passamos a aceitar apenas o que a vida nos oferece e isso, muitas vezes, gera uma vida infeliz para as pessoas.

É importante notar que querer uma realidade melhor não é errado ou vergonhoso, muito pelo contrário é um fator muito importante para alcançar a auto realização, a mais alta necessidade humana definida pelo psicólogo americano Abraham Maslow em seu trabalho mais reconhecido: A pirâmide de Maslow ou Hierarquia de Necessidades.

Podemos concluir que estabelecer e definir metas é importante para a harmonia e realização em nossas vidas.

Após entendermos porque é importante transformar sonhos e desejos em metas, devemos entender como definir corretamente as metas.

Post publicado no Portal Administradores por Sergio Ricardo.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Sucesso

O que seria pior que o fracasso? O falso sucesso. Por quê?

Analisemos primeiramente o fracasso. Quando você faz algo que acaba não dando certo, você pode tentar corrigir a situação. Caso não seja possível, pode levar como aprendizado. Numa próxima vez você se sairá melhor. Afinal, uma forma de aprendermos é errando.

Já o falso sucesso é diferente. É uma ilusão, pois parece que você está se saindo bem, mas, na verdade, está se prejudicando. Quando você finalmente perceber que precisa fazer mudanças, poderá ser tarde demais.

Veja um exemplo. A despeito de todas as controvérsias envolvendo este personagem histórico, é inegável reconhecê-lo como líder e o maior homem que já viveu. Falo de Jesus Cristo. Ele certa vez perguntou: “Que adianta uma pessoa ganhar o mundo inteiro e perder a sua própria vida?” (Mateus 16:26, Bíblia Fácil de Ler)

Essa pergunta contém um alerta, bem como a revelação de uma atitude típica do falso sucesso. Deixar que a vida gire em torno da busca de dinheiro e de bens materiais. O consultor de carreiras Tom Denham escreveu: “Pensar sempre em subir de cargo na empresa, em ganhar mais dinheiro ou em comprar mais coisas não nutre a alma. Medir o sucesso simplesmente em termos financeiros é superficial e, a longo prazo, você só vai sentir um grande vazio.”

Muitas pessoas concordam com essas palavras. Numa pesquisa realizada nos Estados Unidos, “ter muito dinheiro” ficou em 20.° lugar numa lista de 22 “fatores que contribuem para uma vida bem-sucedida”. Perto do topo da lista estavam “boa saúde”, “bons relacionamentos” e “um trabalho de que você gosta muito”.

Pelo visto, muitas pessoas sabem a diferença entre falso sucesso e verdadeiro sucesso — pelo menos na teoria. Mas, na prática, é mais difícil tomar decisões que reflitam o conceito correto de sucesso.

Resta a pergunta (e claro, a reflexão sincera): “Como você mede o sucesso?”

Há que se considerar que o falso sucesso se baseia em aparências. Já o verdadeiro sucesso se baseia nos valores corretos.

Levando isso em conta, se você procurar ser responsável e trabalhador, você vai gostar mais de seu trabalho. A Ph.D. em psicologia Madeline Levine escreveu: “Considerar-se bem-sucedido no que faz envolve ser bom nisso; e ser bom no que faz geralmente envolve esforço e persistência.”

Algo que ajuda nisso é o desenvolvimento de uma competência fundamental, a resiliência. Dentre as muitas definições de resiliência, a mais aceitável é que ela é capacidade de lidar de forma positiva com as dificuldades e dar a volta por cima. Esforce-se em ser bom no que faz e, quando surgirem obstáculos, não desista.

“Melhor está o cão vivo do que o leão morto”, diz um provérbio bíblico. Seu trabalho deve fazer parte de sua vida, em vez de ser sua vida. Imagine só, você está no topo de sua carreira, mas perdeu sua saúde ou o respeito de sua família. Ou até mesmo a família! Você poderia realmente se considerar bem-sucedido? Pessoas realmente bem-sucedidas procuram manter um bom equilíbrio entre trabalho, saúde e vida familiar.

Cuide-se. Descanse o suficiente. Não vale a pena ser um viciado em trabalho e sacrificar tudo — saúde, família e amigos — por um sucesso que acaba sendo falso.

Post publicado no Portal Administradores por Eduardo Nunes.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Onde está o seu legado?

Pesquisas apontam que vivemos em média 80 anos. Um período curto comparado com o decorrer dos tempos, no qual temos a oportunidade de deixar a nossa marca, um legado para as novas gerações. Suponha que você tenha chego aos 100 anos de vida e está prestes a soprar as velinhas em comemoração com a família. De um lado a esposa, os filhos e netos. De outro alguns amigos e conhecidos. Você sabe que dali não viverá mais 10, 20 30 anos provavelmente. E naquele momento você pensa no que plantou, no que preparou, no que estará deixando de bom e de como será lembrado quando partir.

Pare por um minuto e tente identificar o legado deixado pelos seus ascendentes. Eles poderiam ter feito algo a mais? E nós, podemos fazer algo a mais pelas nossas gerações? Uma das coisas mais importantes da vida é o que deixaremos de bom aos nossos descendentes. Há alguns anos venho preocupando-me com o legado que deixarei quando eu tiver que partir. Questiono-me: O que eu posso fazer de útil para a humanidade? O que pode ser feito por de mim para que permaneça para o bem das novas gerações? Aquilo em que acredito, ou o que eu acho que sou permanecerá quando eu se for para o descanso eterno? Minhas sementes plantadas serão úteis às novas gerações? Meus filhos, netos, bisnetos e tataranetos se lembrarão de mim como um bom homem que deixou a sua marca, ou colocarão meu nome no rol do esquecimento?

Nós vivemos em prol de uma marca, quer seja positiva ou negativa. Nossas decisões escolherão o legado que iremos deixar. Nosso legado precisa transmitir dignidade e honra ao nosso povo, sem isso, não pode ser considerado um legado. O professor Mário Sérgio Cortela, homem que tanto admiro pela sua maestria e inteligência, certa vez disse: “Qual é a sua verdade? Qual a sua essência? No dia em que você se for, essas questões irão embora com você. O que permanecerá de você no mundo? Permanecerá o seu legado. Permanecerá aquilo que você ensinou, aquilo que “ensignou”, as marcas que deixou”.
Luisinho Soares, meu amigo músico e escritor, teve uma origem pobre no sertão nordestino. Em seu livro: O Nordestino Vencedor, ele relata a trajetória trilhada entre a miséria e a conquista. Seus pais não tiveram condições de dar-lhes, a ele e a seus irmãos, um conforto material, mas plantaram-lhes as sementes de caráter, persistência e coragem que brotariam anos mais tarde. Persistente e sonhador, Luisinho resolveu que queria ser doutor. No mar da vida, quando o vento soprava contrário e as tempestades eram muito fortes, mais ele persistia e rumava pelo caminho de seu legado.

Certa vez, enquanto ainda estava na faculdade, Luisinho se aproxima da professora e diz: “A senhora é muito inteligente.” Ao que ela retruca: “Inteligente é você Luisinho, quem cria. Eu não crio nada, somente repito; estudo e repasso para vocês alunos. Ao contrário, você cria, compõe lindas canções, escreve belas letras. Você cria e eu apenas repasso o já criado”.

Homens como o médico periodista, músico e escritor Luisinho Soares, o filósofo e professor Mário Sérgio Cortela, e milhares de pessoas que passaram e estão passando por esse mundo deixando a sua contribuição, o seu legado, precisam ser valorizados. Homens que nos ensinam na prática, com suas ações, que legado se ganha, mas legado também se constrói.

Aprendemos, com exemplos dos que deixam suas marcas, que legado não se limita a um produto materializado em que passamos de gerações em gerações. Que legado é a precedência positiva; a força motriz em que levará nossos descendentes a usufruir de um mundo mais humano, mais forte e mais capaz. O que vai contra isso não é legado, pois o que não beneficia não se pode ser considerado um legado.

Quando buscarem um norte, seremos a bússola. Quando sentirem-se presos, seremos a canção da liberdade. Que cresça em nosso peito o desejo de sermos feitores de um futuro promissor. Que possamos almejar a construção de um legado palpável.

Post publicado no Portal Administradores por Jackson da Mata.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Quem disse que você sabe de tudo?

iStock

Um dos principais fatores para os jovens saírem da universidade com medo está na arrogância com que percorreram essa jornada
Há muito tempo eu li uma dessas mensagens de internet que dizia: “O pior cego é aquele que não sabe ouvir.” Nossa, sabe quando você para e fica pensando sobre o assunto por um bom tempo? Aconteceu comigo. Fiquei matutando sobre o que isso queria dizer.

Porventura, tive alguns amigos que tiveram sérios problemas nos olhos e acabaram perdendo a visão e, quando resolvi perguntar para eles sobre isso, a resposta girava em torno de “já que não podemos enxergar, o tato e a audição são nossos sentidos mais importantes para nos comunicarmos com o mundo. A audição ainda mais, precisamos ouvir muito.”

Depois de quebrar a cabeça um bocado, pensei: “E se essa for a forma como, muitas vezes, os jovens estão entrando no mercado?”

Existe aquela euforia de quando entra na faculdade, o mundo novo, a libertação, o poder de ser visto como um adulto e todo o potencial existente que será desenvolvido em alguns longos anos que, no entanto, com o andar da carruagem, parecem ser bem mais curtos e o resultado esperado acaba por ser muito diferente.

No final da jornada, o medo domina, pois normalmente os jovens sentem que as oportunidades não são tantas, ou pelo menos eles não aprenderam a encontrar essas tantas que realmente existem. A concorrência é cruel, ou pelo menos eles não conseguiram desenvolver seu diferencial a ponto de não se preocuparem. No entanto, a grande verdade é que, no apagar das luzes, a maioria não está pronta, deixando a dúvida: o que aconteceu?

A resposta à pergunta acima é exatamente o que falamos no início do artigo: eles entraram de olhos fechados e ouvidos tapados. Ou seja, prepotência. De todos os eventos, pesquisas, conversas que tive com empresários a vida inteira, a maior reclamação da nova geração que entra no mercado é, disparada: “eles acham que sabem tudo, são arrogantes, parecem não querer aprender”. Sim, eu sei, existem exceções. Mas estamos falando da maioria e, infelizmente, essa grande parte se encaixa no ditado.

Essa euforia de tantas possibilidades, da supervalorização de jovens talentos que conseguiram o mundo (normalmente, por suarem além do imaginável), às vezes deixa as pessoas com um falso senso de “super expertise”. O que quer dizer: acham que sabem mais do que realmente sabem. E o problema disso é que quem sabe tudo não tem mais o que aprender. Mas os jovens, que são mais novos e têm menos experiências, não deveriam ser os que mais buscam aprendizados?

Viu? Temos uma incoerência.

Em um mercado tão dinâmico, com novos conhecimentos surgindo a uma velocidade inimaginável, saber aprender e aproveitar aquilo que os outros querem e precisam nos ensinar é vital, sem falar que é mais inteligente. Afinal, quem não aprende, não evolui, e quem não evolui não tem chance alguma.

Acredito que ao final da jornada acadêmica esse medo tão grande seria bem menor – mas não inexistente – se a maioria tivesse mais pé no chão, sem querer chegar às empresas já querendo ser gerente.

Se você é jovem, lembre-se de que quando você pensar “Isso eu já sei” pode ser que esteja perdendo uma chance maravilhosa de aprender algo novo e evoluir. E se você já é um pouco mais experiente, não tenha medo de puxar algumas orelhas.

No fim das contas, o que posso dizer é: “A mente de uma pessoa que não precisa mais aprender é limitada como uma viseira muito estreita. Já a mente aprendiz é infinita em possibilidades e conhecimentos”. Faça suas escolhas.

Post publicado no Portal Administradores por Bruno Perin.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Liderança feminina: mulheres lideram melhor?

Se a data foi instituída após grandes manifestações pelas péssimas condições de trabalho a que eram submetidas, hoje percebemos que cada vez mais as mulheres assumem postos de liderança e com significativas vantagens em relação aos homens.

Já falei sobre isto em palestras e geralmente sou aplaudido pelas mulheres enquanto os homens têm os comportamentos mais diversos que vão desde um inicio de vaia até uma fisionomia de inimigos para sempre. Nestas oportunidades costumo dizer da necessidade que nós homens temos em aprender um pouquinho (ou muito?) com as mulheres.

Em 1978 Kip Tindell, CEO da Container Steore já afirmava: “As mulheres em geral são melhores líderes do que os homens”.

Faço esta afirmação baseado em alguns comportamentos das mulheres e que são essenciais no exercício da arte de liderar:

• Mulheres têm boa comunicação com equipes heterogêneas

• Mulheres sabem escutar melhor os problemas dos outros

• Mulheres têm espirito colaborativo

• Mulheres trabalham melhor em equipe

Em uma recente palestra Max Gehringer pediu para os homens olharem ao seu redor e fazer um elogio às mulheres próximas. Após a maioria dos homens ter atendido a sua solicitação ele explicou o motivo: Ela poderá ser sua chefa amanha….. Uma brincadeira com a plateia, mas que encerra uma grande verdade. Nós homens estamos um tanto estacionados em nosso estilo de liderança enquanto o sexo “frágil” vem se inovando a cada dia.

Talvez seja interessante analisarmos a razão desta escalada das mulheres em cargos de liderança e observarmos que se todos incorporarem estes comportamentos, certamente profissionais e empresas serão beneficiados.

Mulheres lideram melhor por terem estes comportamentos:

• Costumam tomar a iniciativa mais facilmente

• Preocupam-se com o autodesenvolvimento

• Estão atentas com a sua Integridade

• Tem facilidade em coordenar equipes multi tarefas

• Preocupam-se com o desenvolvimento dos outros. Por terem autoconfiança conhecem a sua força, isto é, não temem muito a concorrência profissional

• São experts em construir relacionamentos

• Inspiram as pessoas ao seu redor

Se observarmos o que aqui foi escrito veremos que tudo se resume a algumas habilidades que são mais comuns nas mulheres que nos homens, e por serem habilidades, são passíveis de aprendizado, o que é encorajador para nós homens.

Sugiro que os profissionais coloquem estes comportamentos como metas de curto prazo, para que, com o auxilio de um Coach seja possível exercer cargos de liderança sem turbulências em um futuro próximo.

Post publicado no Portal Administradores por Cleyson Dellcorso.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!