A água nasce e corre para o mar

O caminho das águas

A agua em todo o seu percurso pode ser comparada à nossa vida pessoal e profissional. Vamos refletir juntos?

“A água nasce e corre para o mar”.

As águas de um rio tem sua nascente em algumas das vezes no alto de montanhas.

Em seguida, sua água percorre o caminho crescendo, se adaptando, desviando de obstáculos, seja um troco de árvore ou uma folha, no decorrer do caminho encontra pequenos rios onde consegue aumentar o seu volume um pouco mais – o que metaforicamente pode ser comparado em nossa vida com adquirir educação, conhecimento e experiências – e continua o seu caminho para encontrar o mar.

Em seu percurso encontra um rio ainda maior, onde há correnteza forte que acelera o seu crescimento – que para nós representa educação e estudo – e com isso ela percorre caminhos novos se adaptando ainda mais rápido, pois a velocidade aumenta.

Mas… eis que no decorrer deste caminho de correnteza aparece uma grande depressão no terreno, uma cachoeira e com ela vem algo inevitável: a queda – que pode ser por exemplo desemprego, autoestima baixa ou pausa no desenvolvimento pessoal. Apesar disso, para água tal queda é algo maravilhoso, pois ela pode descobrir o quanto é forte, que pode “voar” e transformar aquela queda em um ensinamento através do qual pode melhorar o seu crescimento e o foco em objetivos para sua vida.

O caminho após a queda começa novamente, agora em um rio ainda maior, porém de forma mais tranqüila. Assim, a água reinicia o seu caminho de crescimento – busca constante pelo conhecimento e atualização em sua área seja profissional e/ou pessoal – e consegue refletir no que pode melhorar para continuar este processo.

A água então conhece outros caminhos, outros rios e entre eles grandes e pequenos afluentes. Surge uma dúvida e ela se pergunta: O que fazer? Para onde seguir agora? Que escolha tomar?

É quando se lembra da queda, do que aprendeu, de que voltou a crescer – estudar e se atualizar – e dentro das experiências vividas anteriormente faz a escolha por um novo caminho de acordo com a situação que se apresenta. Neste momento, ela assume a auto-responsabilidade para ver sua vida (pelo seu percurso?), ter um novo caminho e decide ser a dona de suas escolhas evitando assim o “deixa a vida me levar”. Ao fazer suas novas escolhas, toma outro susto: o caminho começou a apresentar fortes correntezas e novamente muitas transformações ocorrem rapidamente.

No entanto, agora a água consegue se perceber de forma diferente, observa o quanto esta tranquila mesmo em um percurso que parece semelhante ao que tinha vivido em outro momento de vida, e observa que tais correntezas não lhe assustam mais – o que representa maturidade – sabe que logo tudo passará e mesmo que mais à frente se apresente uma nova cachoeira em seu caminho, sabe que pode voar e o mais importante: se levantará novamente agora mais rápida e com mais energia, pois lembra que adaptação é uma de suas capacidades. Assim, após o período se repetir eis que o objetivo de toda uma vida é alcançado: o mar.

Caro leitor, se me permite, vou chamá-lo(a) de amigo(a)!

Meu objetivo ao desenvolver foi contribuir com uma metáfora para auxiliá-lo em sua percepção sobre sua trajetória, considerando o que você viveu e sua situação hoje.
Não sou melhor que você em nada, somos diferentes em várias características e que quero que compreenda.

Todos nos podemos passar por períodos de crescimento, desenvolvimento, desafios, dificuldades e o que tenho observado durante minhas experiências é que em meio às tormentas – ou, como diz o texto, correntezas – é preciso lembrar tais situações se apresentam sempre de acordo com o que podemos aguentar e tudo isso tem haver com as escolhas, que sempre fazermos todos os dias!

Peço que faça uma parada neste texto, reflita um pouco sobre as perguntas e procure responder sinceramente.

Você escolheu a vida, que tem hoje?
Você escolheu o seu trabalho?
Você escolheu ter namorado (a), casar, ter filhos?
Você escolheu parar, ou estudar e aprender a fazer bem feito o que se propões a fazer?

Amigo(a), quero lembrar que não vou entrar no mérito da religião. Mas, penso que Deus te deu algo maravilhoso entre outras coisas, uma delas é o Livre Arbítrio. Com ele, lhe foi concedido o direito pleno de fazer suas escolhas, sendo elas pessoais e profissionais.

Reflita um pouco:

Por que pessoas que nascem em plena miséria em alguns momentos transformam e ressignificam suas vidas, mudando-as a partir do momento de consciência de sua auto-responsabilidade.

Exemplos disso são pessoas que, após compreender sobre auto-responsabilidade, conseguiram transformar, de um simples catador de lixo, em estudante de uma das melhores faculdades e recebendo ainda uma bolsa de estudos para isso.

Amigo(a) compreenda que tanto você como eu, todos temos a incrível energia necessária para mudar as nossas vidas, e isso ocorre através da ação diária e constante no nosso desenvolvimento, não importando quantos ou quais desafios se apresentem.

Eu mesmo um dia fui desempregado, desatualizado, e fora do mercado de trabalho.

No entanto, hoje sou formado, especializado e partindo para um novo desenvolvimento pessoal e profissional.

E você? Como está hoje? E o que deseja se tornar?

Post publicado no Portal Administradores por Adalberto Barbosa.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!