O que os chimpanzés podem nos ensinar sobre sucesso e fracasso?

iStock

Todos nós queremos nos sentir poderosos. Mas existe um atalho que podemos tomar para chegar lá? Nós todos sabemos que alguns papéis são mais poderosos do que outros. Gerentes, CEOs e líderes costumam se sentir mais poderosos do que os seus funcionários ou os seus seguidores, uma vez que são os que controlam as promoções, salários, contratação e demissão de seus subordinados menos potentes.

Estudos têm mostrado que quando uma pessoa se sente poderosa ela ativa certos comportamentos e cognições. Por exemplo, apenas recordando uma experiência de poder fez com que as pessoas tomassem decisões mais frequentes, façam uma primeira oferta em negociações e assumam mais riscos.

Mas há outros fatores que influenciam o quão poderosos ou impotentes nos sentimos e, consequentemente, influenciam o nosso comportamento. Em seu livro, “Sensation: The New Science of Intelligence Física (Atria 2014)”, Thalma Lobel discute vários fatores que influenciam o quão poderosos e confiantes nos sentimos e dois grandes fatores são a linguagem do corpo e as posturas corporais.

Ambos, animais e seres humanos apresentam posturas poderosas e impotentes, quer por ocupar mais espaço ou ocupando um menor espaço. Por exemplo, o baiacu bombeia água em seu estômago e triplica de tamanho para se defender contra predadores. O pássaro jay na defesa dos seus filhotes posiciona o ninho de uma forma que aumenta muito o seu corpo, com penas, asas ou cauda. Chimpanzés que desejam transmitir a sua posição dominante levantam os braços, estufam peito e levantam-se, a fim de parecerem maiores, balançam seus braços, saltam para cima e para baixo repetidamente. Ao encontrar um chimpanzé dominante, chimpanzés submissos baixam os seus corpos, contraem-se, ocupam menos espaço, e fazendo assim parecem menores e não ameaçadores, de modo a não provocar um ataque.

Isto também é verdade para os seres humanos. Indivíduos poderosos levantam-se e ocupam o máximo de espaço possível. Em contraste, uma pessoa submissa pode sentar-se com a cabeça baixa, mãos estendidas junto ao corpo e as pernas juntas como fazem as crianças abusadas e prisioneiros de guerra. Vários estudos têm mostrado que as pessoas que se sentam em poses poderosas e se expandem no espaço são percebidos pelos outros como sendo mais poderosos. É possível no entanto, que as nossas posturas corporais influenciem não só a forma como as outras pessoas nos vêem, mas a maneira que nós mesmos sentimos?

Dana Carney e Andy Yap, da Universidade de Columbia e Amy Cuddy da Universidade de Harvard analisaram estas questões. Eles pediram a um grupo de participantes para ficarem de pé e depois sentar-se com as suas mãos estendidas sobre a mesa e as pernas separadas (uma posição de poder), e perguntou a outro grupo de participantes, o grupo de “baixa potência” para se sentar e depois ficar com a sua mãos em volta de seus corpos ou entre os joelhos, as pernas juntas, membros fechados. Os pesquisadores se basearam em vários critérios para quantificar o quão poderosos os participantes se sentiram.

Eles descobriram que aqueles que apresentaram poses de alta potência relataram sentir-se mais poderosos, predispostos a mais riscos e mais arrojados do que aqueles no grupo de baixa potência. Surpreendentemente, essa diferença foi evidenciada em um nível fisiológico também. Aqueles que assumiram posturas poderosas apresentaram aumento dos níveis de testosterona e uma diminuição do nível de cortisol. A testosterona está associada com o comportamento dominante, enquanto o cortisol é um hormônio do estresse. Pessoas que se sentem poderosas tendem a ter níveis mais baixos de cortisol do que aqueles que se sentem impotentes. Em outras palavras, simplesmente estar de pé em uma postura expandido, representam influências como o poder que sentimos e, consequentemente, como nos comportamos e também reduz o estresse.

Nossas posturas corporais influenciam não só a forma como as outras pessoas nos vêem, mas a maneira que nós mesmos nos sentimos.

Outros estudos descobriram que, quando as pessoas assumiam posturas poderosas e pensamento de forma mais abstrata, seus comportamentos estavam associados com um sentimento de poder. Curiosamente, isso aconteceu, independentemente de terem sido atribuídos um papel poderoso ou impotente. O que importava era a sua postura.

Em conjunto, estes resultados sugerem fortemente que os sentimentos e comportamentos são poderosos e relacionados com as nossas posturas corporais. Você não precisa necessariamente estar em um papel de poder para se sentir poderoso. Ter uma postura expandida irá fazer uma grande diferença para todos aqueles que desejam reforçar a sua confiança em uma variedade de situações.

Ao ajustar a sua postura, movimentos e maneirismos, você poderá não apenas transferir poder ao seus projetos, mas também aumentar o seu sentimento de confiança e eficácia. Se você está se sentindo tímido ou inseguro, em pé ou sentado, sua postura de “poder” poderá reforçar seu estado mental. Se você quiser aumentar a sua confiança em uma entrevista de emprego, quando se reunir com um novo grupo, estiver sozinho em uma festa onde você não conhece ninguém, ou antecipando uma conversa difícil com seu chefe ou com os seus colaboradores, apenas fique em uma postura ereta por alguns minutos antes de você entrar em uma sala (e, se necessário, durante a interação real). Você pode mudar a forma como você se sente sobre si mesmo, bem como o seu consequente comportamento e a forma como os outros o percebem.

Quando nossos pais ou nossos professores nos dizem para nos sentarmos em linha reta, a maioria de nós não os leva muito a sério, mas verifica-se que eles estavam certos. Sentado ou em pé em linha reta não é bom apenas para a parte de trás é bom para a alma.

Post publicado no Portal Administradores por Ricardo Bellino.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s