Aumente seu poder de persuasão

 

Muito ouvimos falar de persuasão, aliás, se observarmos podemos constatar que ela faz parte de quase todos os momentos de nossa vida.

O Jornalista Fabio Bandeira, afirma que todos os dias utilizamos nosso poder de persuasão, ou estamos sendo persuadidos por alguém. Quando pedimos ajuda a um colega de trabalho, favores a um amigo ou até mesmo um copo de água em casa, estamos tentando persuadir alguém a fazer o que desejamos.

De forma geral, podemos dizer que persuasão é uma estratégia de comunicação que utiliza recursos racionais, simbólicos e emocionais para induzir alguém a aceitar uma ideia, um pensamento ou até mesmo realizar alguma ação. Para isso, são utilizados argumentos com o propósito de conseguir com que o outro faça o que desejamos.

Normalmente ouvimos falar sobre persuasão de forma positiva ou negativa, o fato é que podemos utilizar esta estratégia para conseguir o que queremos e da mesma forma que podemos persuadir uma pessoa para fins obscuros, como trapacear em uma negociação, por exemplo, podemos também utilizar este artificio para fazer com que pessoas realizem aquilo que precisa ser feito, ou seja, é um fator fundamental para liderar pessoas.

Aquele que consegue persuadir conquista aliados e desenvolve uma liderança natural, afirma Fábio Bandeira. Ao observarmos sob a ótica da persuasão podemos dizer que parece que existem pessoas que nasceram para serem formadoras de opinião. No entanto, qualquer pessoa que desejar, pode aprender técnicas simples para ser mais persuasivo observa o jornalista.

É importante compreender que para aprimorar a técnica de persuasão, a percepção de alguns comportamentos, estudo do ambiente, pessoas, contexto e emoções são fundamentais. Ao ficar atento a estes fatores podemos sim ser mais persuasivos e consequentemente, mais influentes finaliza Fabio Bandeira.

Confira as dicas do jornalista Fabio Bandeira para aumentar seu poder de persuasão:

Utilize a emoção

“O propagandista deve ter, acima de tudo, um grande conhecimento da alma humana”, disse uma vez Goebbels, o pai da propaganda nazista. Embora ele tenha usado a persuasão da pior maneira possível, ele tinha razão. Os mestres da persuasão costumam despertar emoções nos ouvintes. Para isso, falam apaixonadamente e, em seus discursos, apelam para valores, sonhos e ideais compartilhados pelas pessoas.

Ajude as pessoas

Você recusaria um favor a alguém que já lhe ajudou no passado? Sabemos que não. Por trás deste gesto atua a lei social da reciprocidade – chamada por Robert Cialdini autor do livro O Poder da Persuasão, de “princípio da reciprocidade” – afirmando que uma boa ação a nosso favor deve ser retribuída. Portanto, se você quer que alguém faça uma concessão numa reunião de negócios, dê o primeiro passo, abrindo mão de algum item. No dia-a-dia, acostume-se a ser solícito. Uma dose diária de favores irá aumentar as chances de você ser mais persuasivo quando precisar no futuro. E isto não se trata de uma postura interesseira, mas de uma visão estratégica para atingir seus objetivos.

Identifique semelhanças

Gostamos de pessoas semelhantes a nós, dizem os especialistas em comportamento humano. E não estamos falando de semelhanças óbvias, como a aparência física. Traços de personalidade, estilos de vida, opiniões, times de futebol e até nomes, quando semelhantes, facilitam a aproximação e abrem caminho para a persuasão. Na próxima vez que ensaiar um discurso persuasivo, lembre-se de enfatizar alguma similaridade com seu ouvinte.

Comece pedindo pouco

“Ajude com pelo menos…”. Esse tipo de frase, que você dever ter ouvido uma centena de vezes, se apoia na ideia de que as pessoas tendem a ajudar mais quando começamos pedindo pouco. Tem uma pilha de tarefas atrasadas? Em vez de pedir para seu funcionário encarar todo o desafio, explique que, se ele executar ao menos uma, terá ajudado muito. Pedir pouco, no início, abre caminho para pedidos maiores no futuro. De acordo com os especialistas, depois que dizemos “sim” a uma pequena solicitação, nossa tendência é aceitar mais naturalmente as próximas, mesmo que elas exijam mais da nossa parte.

Busque compreender o comportamento do grupo

Somos seres sociais. Não apenas gostamos de pertencer a grupos como temos a tendência de imitar o comportamento dos nossos companheiros. Não é à toa que um discurso tem mais chances de persuadir se for apresentado a um grupo. Quando acompanhadas, as pessoas tendem a ouvir as demais, reduzindo o senso crítico e buscando opiniões unânimes. Resultado: as chances de um grupo concordar com você são maiores.

É importante compreender que persuadir envolve muito mais do que apenas conseguirmos que uma pessoa realize ações a nosso favor, é também saber influenciar de forma inteligente e imprimir sua marca pessoal de forma positiva, no meio em que você está inserido finaliza Fabio Bandeira.

 

Post publicado no Portal Administradores pela Gisele Meter.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

INVESTIMENTO ANJO — Overview — Melhores Práticas

Saiba quais são os desafios e perspectivas para o investimento anjo no Brasil. Assista ao vídeo gravado no Congresso de Investimento da Anjos do Brasil e entenda mais sobre a figura do anjo, melhores práticas, onde encontrar capital e os principais problemas antes de tentar vender sua empresa startup.

Vídeo postado YouTube, na página do SebraeSP.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Vencedores não esperam

 

Algumas pessoas esperam demais pelo momento certo para fazer algo e, com isso, perdem muitas oportunidades em suas carreiras. É o caso daquelas que precisam mudar de emprego, ou arrumar um, e não enviam seus currículos por uma série de motivos. Não enviaram em dezembro, porque é final de ano e, nesse período, as empresas não contratam. Também não enviaram agora em janeiro, porque é começo de ano e, é claro, as companhias não devem estar contratando. Aliás, pensam que é melhor esperar o carnaval passar, porque, afinal, o País somente começa a trabalhar depois do carnaval.

Na verdade, um grande freio em suas vidas é o medo de errar. Preferem não se arriscar a fazer algo que possa dar errado. É uma pena. Somente em janeiro, em uma única rede social observei uma empresa buscando profissionais para mais de mil posições de telemarketing. Outras procurando diretor financeiro, gerente de marketing, analista de RH, enfim, oportunidades para início imediato. Como aquele currículo não enviado terá chance de pegar uma dessas vagas? E aquele seu perfil desatualizado, ou ausente, na principal rede social para profissionais, como será encontrado pelos headhunters?

Não espere! Se algo der errado, aprenda com o erro, reflita e faça algo diferente até ter a carreira que deseja. É muito difícil lidar com as emoções negativas: principalmente frustração e medo. Se você basear suas ações na tentativa de evitá-las, poderá esperar indefinidamente. O resultado será uma carreira menor do que poderia ter sido. Não estou pedindo para você ser imprudente, ou fazer coisas insanas, mas apenas para não esperar por um momento no qual tenha 100% de certeza de que não cometerá um erro para, então, agir.

Pessoas que realizaram grandes obras em suas profissões cometeram muitos erros, lidaram com muita frustração e medo. Aprenderam muito e, graças à sua persistência, chegaram aonde queriam. O ano está apenas começando, e há muito o que fazer por sua carreira. Mãos à obra!

Sílvio Celestino é sócio-fundador da Alliance Coaching e autor do livro “Conversa de Elevador – Uma Fórmula de Sucesso para sua Carreira”.

 

Post publicado no Portal Administradores pelo Sílvio Celestino.

Deixe o seu comentário aqui embaixo!

Trabalho em casa exige organização e disciplina

Montar o próprio negócio é o sonho de muita gente e, na falta de um espaço específico para instalação da empresa, ganha força no Brasil a opção de trabalhar em casa. Dados da pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), de 2012, mostram que 43,5% dos brasileiros desejam ter seu próprio negócio, ante 24,7% que preferem fazer carreira como funcionários. Outro estudo do Sebrae revela que dos 3,5 milhões de Microempreendedores Individuais (MEIs) registrados no País, 48,6% trabalham em casa e 77% dos artesãos usam o domicílio como espaço de criação e geração de renda.

O trabalho em casa, segundo consultores do Sebrae-SP, abre uma série de possibilidades para os donos de pequenos negócios, como atuar com certa flexibilidade de horário e reduzir gastos que teriam, por exemplo, com a manutenção de um escritório. Em contrapartida, alertam, é preciso muita disciplina, organização e atenção especial a fatores como exigências legais para exercício de cada atividade; capacidade produtiva; prazos de entrega; horários de trabalho, além de evitar a mistura da rotina do escritório com questões familiares.

A formalização é muito importante para o empreendedor e isso também vale para quem decide trabalhar no seu próprio domicílio. Ela pode ser feita por meio do registro como MEI, gratuita- mente, no Portal do Empreendedor.

Uma vez regularizada, a empresa proporcionará maior segurança ao dono do negócio. As regras a serem cumpridas ficam mais claras e a possibilidade de se emitir nota fiscal ajuda na conquista de novos clientes e mercados.

Loli Colpa, artesã premiada pelo Sebrae, conta que depois de perder o emprego em uma companhia especializada em design de interiores, decidiu trabalhar em casa para poder ficar mais perto da filha, à época com apenas 3 anos de idade. A partir daí investiu no artesanato, um hobby de infância, para criar sua própria marca de ecojoias e acessórios de moda – peças que utilizam papel reciclado como principal matéria-prima.

Ela montou um pequeno ateliê na garagem de casa, no bairro paulistano da Saúde, formou clientela e já desenvolveu até uma máquina específica para a confecção de seus produtos, que está em vias de ser patenteada. Regularizada como MEI, Loli também vem estimulando outras mulheres da comunidade onde mora a trabalhar com o artesanato, e espera dividir um novo espaço com elas, desta vez não domiciliar, ainda no início de 2014.

“Conheço bem a experiência de trabalhar em casa, pois minha mãe, que era tapeceira, fez isso por muitos anos. Por um lado, é mais econômico, prático e menos arriscado do que pagar aluguel. Mas ter um espaço fora também tem suas vantagens, abre outras perspectivas de empreendimento e de crescimento. Nos últimos tempos, tenho conciliado o trabalho do ateliê com outros feitos fora, e funciona bem. Acho que se a pessoa for organizada e persistente, poderá encontrar formas de atender cada vez melhor a clientela, estar mais perto dos filhos e ganhar em qualidade de vida”, diz a empreendedora. 

Dicas:

– Separe o ambiente de negócio do ambiente familiar. Se possível, instale uma entrada própria para receber os clientes e os fornecedores, em um cômodo independente e bem organizado, com uma estrutura de móveis, computador e material de escritório. Isso ajuda a dar um aspecto mais profissional ao espaço e evitar constrangimentos tanto a familiares como a clientes ou parceiros de negócios que precisem visitar a empresa.

– Evite também misturar as atividades e rotina do escritório com questões familiares e confundir o caixa da empresa com o da família.

– Estabeleça horários para o início e o fim das atividades. Ter essa disciplina contribui não só para que o trabalho flua com mais eficiência, mas também para que o empreendedor consiga usufruir o tempo livre, sem prejuízo da atividade da empresa, ao lado de seus familiares e amigos.

– Atente para o cumprimento de prazos, qualidade do produto e competitividade do preço. Isso é fundamental para qualquer empresa, seja um comércio, fábrica, escritório ou ponto de prestação de serviços.

– Aparência é fundamental. Evite se apresentar com trajes excessivamente informais, como bermuda ou chinelo. O ideal é vestir-se da mesma maneira como se fosse trabalhar em um escritório. Essa postura ajuda a conquistar a confiança das pessoas com quem se trabalha.

– Por fim, mantenha, sempre que possível, um número de telefone exclusivo para a empresa e instale uma secretária eletrônica para atender ligações na ausência do empresário. 

Restrições legais

A primeira orientação para quem quer abrir um negócio em casa é verificar na prefeitura se é permitido o exercício da atividade no endereço pretendido (Lei de Zoneamento). O fato de a empresa ser em casa não dispensa o empresário do cumprimento das normas de segurança, higiene, proteção ambiental, entre outras. Ele deve obter todas as licenças necessárias conforme o tipo de atividade. As atividades industriais e outras com potencial poluidor (ar, água, ruído, solo) devem seguir as exigências para a obtenção da licença ambiental na Cetesb (www.cetesb.sp.gov.br).

No caso de atividades ligadas a saúde, higiene, cosméticos, perfumaria, alimentos, deve-se verificar as exigências para a obtenção da licença da Vigilância Sanitária. (www.anvisa.gov.br). Todos deverão obter a licença dos Bombeiros.

O licenciamento de atividades nos órgãos estaduais e os municípios integrados poderá ser realizado pelo Sistema Integrado de Licenciamento (SIL). O SIL é um processo único de licenciamento de atividades. Para solicitações classificadas como de baixo risco bastam apenas declarações assinadas digitalmente para a obtenção do Certificado de Licenciamento Integrado. As informações podem ser obtidas em http://www.sil.sp.gov.br.

Em algumas cidades a prefeitura não permite o exercício de atividade empresarial na residência do empreendedor ou apenas libera algumas atividades e em determinadas condições.

Os interessados em mais informações e orientações devem procurar o ponto de atendimento mais próximo do Sebrae-SP ou se informar pelo telefone 0800 570 0800 ou ainda pelo portal do Sebrae-SP, endereço http://www.sebraesp.com.br

 

Publicado no , 31 Janeiro 2014 20:37

Deixe o seu comentário aqui embaixo!