A ciência das grandes ideias: como treinar seu cérebro para ser mais criativo

A ciência das grandes ideias: como treinar seu cérebro para ser mais criativo

Criatividade é um mistério, certo? Talvez, não. Trago aqui um exemplo do processo que é a ciência da criatividade e de como aproveitar o poder do cérebro para ter ótimas ideias. Ah, ideias! Quem não quer ter mais ideias brilhantes? Eu quero.

Geralmente, penso em ideias como mágicas e difíceis de produzir. Eu espero que elas apenas apareçam sem que eu as cultive, e fico frustrada com frequência quando elas não aparecem no momento em que preciso.

A boa notícia é que cultivar ideias é um processo que podemos praticar para produzir mais (e, com esperança, melhores) ideias. Por outro lado, muitas vezes, grandes ideias podem simplesmente chegar a nós enquanto estamos no chuveiro ou em outro ambiente relaxante.

Primeiramente, vejamos a ciência do processo criativo.

Como nossos cérebros funcionam criativamente?

Até agora, a ciência não determinou com exatidão o que acontece com nossos cérebros durante o processo criativo, uma vez que ele combina vários processos cerebrais diferentes. E, ao contrário da crença popular, esse processo inclui os dois lados do cérebro trabalhando em conjunto, ao invés de só um.
A verdade é que os hemisférios cerebrais estão intrinsecamente conectados. Os dois lados do cérebro são distinguidos apenas pelos diferentes estilos de processar. A ideia de que pessoas podem “pensar com o lado direito” ou “pensar com o lado esquerdo” é, na realidade, um mito que eu já desmontei.

A origem desse mito vem de uma pesquisa realizada em 1960, com pacientes cujos “corpus callosum” (partes das fibras neurais que conectam os hemisférios) haviam sido cortados como último recurso no tratamento de epilepsia. Isso eliminou o processo natural da comunicação inter-hemisférica e permitiu que cientistas conduzissem experimentos sobre o modo como cada hemisfério trabalha em isolamento.

A menos que você tenha passado por esse procedimento, ou teve metade do cérebro removido, você não pensa melhor com o lado direito ou com o lado esquerdo.

No entanto, temos uma ideia aproximada de como esses processos podem funcionar.

As três áreas do cérebro que são usadas para o pensamento criativo

Entre todas as redes e centros específicos em nossos cérebros, há três áreas que são conhecidas por serem usadas no pensamento criativo:

– A rede de controle da atenção nos ajuda a focar numa tarefa em particular. É ela que ativamos quando precisamos nos concentrar em problemas complicados ou prestar atenção em uma atividade como ler ou ouvir uma palestra.

– A rede de imaginação, como você pode ter adivinhado, é usada para coisas como imaginar cenários futuros e lembrar coisas que já aconteceram. Essa rede nos auxilia a construir imagens mentais quando estamos engajados nessas atividades.

– A rede de flexibilidade da atenção tem o importante papel de monitorar o que está acontecendo em nossa volta, bem como dentro de nossos cérebros, e alternar a rede de imaginação e a rede de controle da atenção.

Você pode ver a rede de controle de atenção (em verde) e a rede de imaginação (em vermelho) na figura abaixo:

Produzir novas ideias é um processo

A produção de ideias é um processo tão definido como a produção dos Fords – James Webb Young
Em seu livro “Técnica para produzir ideias” (A Technique for Producing Ideas), James Webb aponta que, enquanto o processo para produção de novas ideias é simples o suficiente para ser explicado, “ele, na verdade, requer o tipo mais pesado dos trabalhos intelectuais”.

Ele também explica que trabalhar para encontrar lugares onde as ideias surgem não é a solução para ter mais ideias. Precisamos treinar a mente para produzir novas ideias naturalmente.

Os dois princípios gerais

James descreve dois princípios da produção de ideias que me agradam bastante:

– Uma ideia é nada mais, nada menos do que uma nova combinação de elementos antigos.
– A capacidade de trazer elementos antigos para novas combinações depende amplamente da habilidade de ver/perceber relações.

O segundo é muito importante para produzir ideias novas, mas é algo em que nosso cérebro precisa ser treinado. Para determinadas mentes, cada fato é pouco separado do conhecimento. Para outras, é um elo da cadeia de conhecimento.

Para ajudar nosso cérebro a nos entregar boas ideias, precisamos primeiramente de uma preparação. Vamos dar uma olhada no que é preciso para preparar os cérebros para a criação de ideias.

Prepare-se para ter novas ideias

Como ideias são feitas da percepção de relações entre elementos existentes, precisamos coletar um inventário mental desses elementos antes que comecemos a conectá-los. James também observa em seu livro como, na maioria das vezes, abordamos esse processo incorretamente.

Em vez de trabalharmos sistematicamente para coletarmos matéria-prima, sentamos à espera. Preparar o cérebro para o processo de fazer novas conexões leva tempo e esforço. Precisamos adquirir o hábito de coletar as informações que nos cercam para que nossos cérebros tenham com que trabalhar.

Juntar tudo

O trabalho duro está principalmente na coleta de material que o cérebro precisa para formar novas conexões. Contudo, também há muito que você pode fazer para ajudar seu cérebro a processar toda essa informação.

O neurocientista Mark Beeman explica como chegamos àquele momento final “Aha!” na produção de uma ideia por meio de outras atividades:

“Uma série de estudos tem usado eletroencefalografia (EEG) e ressonância magnética funcional (fMRI) a fim de estudar as correlações neurais dos “momentos Aha!” e seus antecedentes. Embora a experiência de um insight seja repentina e possa parecer desconectada do pensamento imediato anterior, esses estudos comprovam que o insight é o resultado de inúmeros processos e estados cerebrais operando em diferentes escalas de tempo.”

Gosto bastante do modo como John Cleese fala sobre esses aspectos da criatividade e de como nossas mentes trabalham. Ele realizou uma palestra excelente anos atrás sobre como os cérebros desenvolvem ideias e resolvem problemas criativos, onde discutiu a ideia de nossos cérebros serem como tartarugas:

“A criatividade age como uma tartaruga, empurrando a cabeça para fora, nervosa, para ver se o ambiente está seguro antes de emergir completamente. Portanto, você precisa criar uma clausura como uma tartaruga – um oásis na loucura da vida moderna – para ser um porto seguro onde sua criatividade pode emergir.”

Outro assunto que John Cleese aborda é sobre como pode ser benéfico “dormir no problema”. Ele se lembra de observar uma mudança dramática em sua abordagem de um problema criativo após deixá-lo em paz. John não apenas acordou com uma ideia perfeitamente clara de como continuar seu trabalho, como também o problema em si não era mais percebido. O truque aqui é confiar o suficiente para esquecer.

Quando empenhamos nossa mente consciente em outras atividades, como dormir ou tomar banho, nosso subconsciente pode trabalhar em achar relações em todas as informações que coletamos até o momento.

Tradução: Dandara Costa

Post publicado no Portal Administradores pela Belle Cooper.

Se você gostou, deixe o seu comentário aqui embaixo!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s